Os manifestantes gritaram palavras de ordem em favor da Rússia e apelos para que a França abandone a sua presença no país. Também lançaram alertas contra a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Cedeao) contra "qualquer interferência".

O país está mergulhado em incerteza desde o fim de semana, depois do tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba — que liderou um golpe de Estado em janeiro — foi deposto pelo jovem capitão Ibrahim Traore.

O golpe coincidiu com protestos violentos contra a França, nos quais manifestantes agitaram bandeiras russas, o que alimentou especulações de que Traore poderia seguir os passos de outros regimes de países francófonos da África e aprofundar os seus laços com a Rússia.

A delegação da Cedeao chegou hoje ao Burkina Faso, liderada pela ministra da Guiné-Bissau, Suzi Carla Barbosa, cujo país preside o bloco. No mesmo dia, concluiu a sua missão, depois de "dois encontros importantes, o primeiro com líderes religiosos e tradicionais, e o principal com o capitão Ibrahim Tahore", disse o ex-presidente do Níger Mahamadou Issoufou, mediador para o Burkina Faso na Cedeao.

O novo dirigente informou que a visita da entidade africana visa a "estabelecer um contato com as novas autoridades de transição", como parte do apoio que o órgão deu ao Burkina Faso.

Nas ruas, manifestantes cantaram lemas como "França vá embora", "Não à interferência da Cedeao" e "Vida longa à cooperação entre Rússia e Burkina Faso".

Ibrahim Traore agradeceu aos seus apoiantes pela sua mobilização e garantiu-lhes que as suas "diferentes mensagens foram ouvidas", mas pediu aos mesmos que desocupassem os espaços públicos.

Traore prometeu ontem que será mantido o calendário para um regresso a um governo civil até julho de 2024 e afirmou que tal poderá acontecer ainda antes.

Na Rússia, Yevgeny Prigozhin, fundador do polémico grupo paramilitar Wagner, cuja atuação foi registada na República Centro-Africana e no Mali, cumprimentou Traore, ao qual chamou "bravo filho do seu país" na rede social da sua empresa, Concord. Traore e os seus homens "fizeram o necessário, e fizeram-no unicamente pelo bem do seu povo", acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.