Manuel Beja, licenciado em Matemática Aplicada à Economia e à Gestão, tem experiência na área de tecnologia de informação e esteve anteriormente na Novabase.

De acordo com a informação, disponível no 'site' da companhia aérea, os restantes nomes a propor para o Conselho de Administração são Christine Ourmieres-Widener, Ramiro Sequeira, Alexandra Reis, João Gameiro, José Manuel Silva Rodrigues, Silvia Mosquera González, Patrício Ramos Castro, Ana Teresa Lehmann, Gonçalo Monteiro Pires e João Pedro da Conceição Duarte.

Para a presidência do Conselho Fiscal é proposto o nome da Baker Tilly, PG & Associados, SROC, S.A. e para o mesmo órgão são propostos para vogais os nomes de Sérgio Sambade Nunes Rodrigues, Maria de Fátima Damásio Geada e José Manuel Fusco Gato (vogal suplente).

A informação diz ainda que para a Mesa da Assembleia Geral é proposto o nome de António Macedo Vitorino (presidente) e David Fernandes de Oliveira Festas (vice-presidente) e para a Comissão de Vencimentos são propostos os nomes de Pedro Miguel Nascimento Ventura, Tiago Aires Mateus e Luís Manuel Delicado Cabaço Martins.

A Assembleia Geral está agendada para o próximo dia 24 de junho.

Frasquilho despede-se dos trabalhadores com “tranquilidade do dever cumprido”

“Sairei com a tranquilidade do dever cumprido, de ter sido sempre leal à TAP, ao Estado português, como seu acionista de referência, e a Portugal”, expressou Miguel Frasquilho, numa carta de despedida enviada aos trabalhadores da TAP, a que a Lusa teve acesso.

Miguel Frasquilho cessará funções como ‘chairman’ do grupo TAP na altura da próxima Assembleia Geral marcada para o dia 24 de junho, tendo já sido proposto Manuel Beja para o substituir.

“Para poder continuar nas funções que tenho vindo a desempenhar, seria necessária, como sempre disse quando questionado sobre o tema, uma conjugação de vontades entre mim próprio e o acionista Estado. Essa conjugação de vontades não existiu”, explicou o ‘chairman’ que assumiu funções em 2017.

Na missiva, Miguel Frasquilho agradeceu aos contribuintes portugueses “que, com os seus recursos, numa altura particularmente difícil do país, viabilizaram a sobrevivência da TAP, permitindo trabalhar em prol de um futuro que, tenho toda a confiança nisso, tem todas as condições para ser risonho”.

O gestor lembrou os dois primeiros anos e meio na liderança do grupo TAP, em que a “convivência com os acionistas privados e os seus representantes foi sempre muito desafiante e enriquecedora”.

No último ano e meio, marcado pela pandemia, Frasquilho sublinhou que as “prioridades foram as de salvar a TAP, o maior número possível de postos de trabalho e, através do duríssimo, mas indispensável Plano de Reestruturação entregue em Bruxelas, procurar garantir o futuro, a sustentabilidade e a rentabilidade da TAP”.

No início deste ano, Miguel Frasquilho integrou a equipa da TAP e do Governo que negociou com os sindicatos e representantes dos trabalhadores acordos de empresa temporários até 2024, que considerou “pioneiros e permitem assegurar um clima de tranquilidade laboral”, para que a companhia aérea possa ser, nos próximos anos, “aquilo que sempre foi: um instrumento de política económica fundamental ao serviço de Portugal e dos portugueses”.

Por fim, Miguel Frasquilho deixou ainda uma palavra de agradecimento aos “colegas” de Conselho de Administração e aos trabalhadores e colegas do grupo.

(Notícia atualizada às 12:01)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.