"Primeiro, há que apurar quem é que tomou decisões, como é que tomou decisões e se há alguém com responsabilidades que beneficiou alguém próximo seu por parentesco ou por outro tipo de ligação", referiu Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas em Sausalito, na Califórnia.

"Segundo, se são situações anteriores, que vinham do passado, ou não. Terceiro, se violam a igualdade em relação a outras situações", completou.

Questionado sobre a notícia do Observador sobre fundos comunitários atribuídos a empresa detida a 40% pelo marido da ministra da Coesão, Ana Abrunhosa, o chefe de Estado respondeu: "Eu não gosto de comentar casos particulares e não vou comentar nenhum caso particular, muito menos aqui no estrangeiro".

No entanto, logo de seguida, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que em termos gerais tem "posições de teoria sobre essa matéria" e enunciou circunstâncias que no seu entender é preciso apurar nestes casos.

"Só aplicando esta teoria, esta filosofia aos casos concretos é que se pode chegar a alguma conclusão", acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.