"O problema que justifica a falta de paz no mundo é o desassossego, desassossego dos povos, dos Estados. No diálogo internacional, o desassossego tem um lado bom, que é a preocupação, mas tem um lado mau se não tiver resposta", explicou o Presidente português.

"E é a falta de resposta ao desassossego que tem levado a posições unilateralistas, às vezes isolacionistas, que são o contrário da construção da paz", acrescentou.

Marcelo, que falava aos jornalistas após uma aula aberta com estudantes em que fez a defesa do multilateralismo, considerou esse ressurgimento do isolacionismo "um recuo", depois de "décadas a construir o multilateralismo", de que Portugal "é exemplo", como ilustram as escolhas de António Guterres para secretário-geral da ONU e de António Vitorino para diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM).

"Deitar isso fora é uma loucura, não resolve problema nenhum e cria problemas adicionais", afirmou.

O Fórum de Paz de Paris, que conclui as celebrações do centenário do Armistício, reuniu 60 chefes de Estado e 30 organizações internacionais para discutir ideias para a segurança global.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.