Gatos e cães disputam a atenção de Maryam al Balushi, que distribui guloseimas aos animais na sua casa em Muscat, capital de Omã. Apesar das reclamações dos vizinhos e das despesas crescentes, a ex-funcionária pública de 51 anos, já reformada, acolheu cerca de 480 gatos e 12 cães.

"Acho que os animais, principalmente os gatos e os cães, são mais fiéis do que os humanos", diz, enquanto pequenos felinos saltam sobre um poste para afiar as garras.

Órfã desde a infância, Maryam al Balushi expandiu a sua família há mais de uma década — e afirma que se identifica com os seus companheiros peludos, muitos deles salvos de uma vida difícil nas ruas.

Omã, país no Golfo conhecido pelas suas montanhas impressionantes e vales pitorescos, viu um aumento no número de animais abandonados nos últimos anos, de acordo com a imprensa local. Por isso, defensores do bem-estar animal defendem um programa de esterilização para reduzir a sua presença nas ruas.

Com a ajuda de amigos e dos seus seguidores na rede social Instagram, Maryam al Balushi gasta cerca de 6.500 euros por mês para alimentar, lavar e cuidar dos seus protegidos, 17 deles cegos.

Em sua casa há uma sala cheia de gaiolas. Os animais podem sair, divertir-se e exercitar-se em turnos.

"Tábua de salvação"

"Tudo começou em 2008, quando o meu filho comprou um gatinho persa", conta Maryam al Balushi, com o seu abaya rosa vestido e o rosto maquilhado.

"Como muitas mães, recusei-me a cuidar dele porque não gostava de animais e o meu filho também não cuidava muito [do gato]". Mas dois anos depois encontrou uma gata e a sua vida mudou.

"Envolvi-me totalmente. Cuidava dela, alimentava-a, dava-lhe banho e passava muito tempo com ela", recorda.

O novo amor de Maryam al Balushi pelos animais cresceu graças aos expatriados que deixam o país e que costumam deixar os seus animais de estimação à sua porta.

Em 2014, comprou uma casa para cuidar dos seus animais, já que até então os vizinhos dos prédios onde morava tinham feito várias reclamações.

Maryam al Balushi conta ainda que foi inspirada por um velho vizinho que dava restos de comida aos animais de rua.

Mas a história vai mais longe: Maryam garante que a sua impressionante "coleção" de cães e gatos a ajudou a superar a sua depressão — além de lhe ter feito render um número significativo de seguidores no Instagram.

"Eu estava num buraco e eles foram a minha tábua de salvação", assegura.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.