Em comunicado, a autarquia avança hoje que o apartamento, intitulado ‘Plano 3C: Casa Com Cor’, destinado a vítimas de violência LGBTI [lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexo], é a “única estrutura do género existente no país”.

A Casa Com Cor visa acolher as vítimas de violência doméstica após a resposta de emergência por um período máximo de um ano, garantindo a “segurança, habitação, apoio jurídico e cuidados de saúde” a estas pessoas.

Além de se tratar de uma habitação temporária, a Casa Com Cor vai ser acompanhada por uma equipa técnica, com o intuito de garantir “as condições para a verdadeira inclusão” das vítimas, dotando as mesmas de “ferramentas que lhes permitam a participação social ativa”.

“O objetivo é que se desenvolva um trabalho em rede que articule, num mesmo processo, as várias vertentes e os vários momentos da intervenção”, nomeadamente, a sinalização das vítimas, a identificação da necessidade de proteção imediata, a integração e o acolhimento temporário.

Além desta estrutura, Matosinhos acolhe também o apartamento de emergência Casa Arco-Íris, um apartamento de autonomização para vítimas de tráfico de seres humanos (TSH) e uma casa-abrigo para 10 homens e crianças.

O memorando de entendimento para a cedência do apartamento vai ser assinado, entre a Câmara de Matosinhos, a Matosinhos Habit e a Associação Plano i, na segunda-feira, no edifício dos Paços do Concelho, pelas 11:30.

A cerimónia conta com a presença da Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.