O documento indica “a paralisação total e com ausência dos locais de trabalho” de médicos que “exercem funções na Região Autónoma dos Açores, na área da Administração Regional de Saúde do Alentejo e na área da Administração Regional de Saúde do Algarve”.

A greve decorre a partir das 00:00 do dia 30 de agosto até às 24:00 do dia 31.

A luta dos médicos “visa fazer com que o Governo dê uma resposta efetiva ao caderno reivindicativo sindical” e “visa também o urgente encerramento da atividade” da mesa negocial constituída entre o Governo e o SIM.

A estrutura sindical exige “uma proposta de grelha salarial que reponha a carreira das perdas acumuladas por força da erosão inflacionista da última década e que posicione com honra e justiça toda a classe médica, incluindo os médicos internos, na tabela remuneratória única da função pública”.

Sindicatos dos médicos e Governo concluíram em 10 de agosto uma quinta reunião negocial extraordinária, em Lisboa, sem chegar a acordo sobre a revisão da grelha salarial, principal item do caderno reivindicativo apresentado à mesa das negociações, iniciadas em 2022.

À saída da reunião com o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, a presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), Joana Bordalo e Sá, e o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha, reiteraram à Lusa o seu desapontamento.

Uma nova reunião negocial entre sindicatos e Governo está agendada para 11 de setembro.

Durante agosto e setembro, o SIM tem agendadas greves noutras regiões do país.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.