"Estamos cientes do vídeo ofensivo no Twitter: a Guarda Costeira identificou o membro e retirou-o das operações", indicou o organismo em sua conta no Twitter.

"As suas ações não refletem as da Guarda Costeira dos Estados Unidos", uma das agências federais que responderam ao furacão Florence, que atingiu o sudeste dos Estados Unidos.

O incidente ocorreu durante uma entrevista à emissora MSNBC com um membro da Guarda Costeira que falava sobre o Florence.

No fundo aparece outro membro, de cabelo curto, que se virou para a câmera e moveu a mão direita junto à cabeça e fez o símbolo de "ok", aproximando o polegar e indicador enquanto os outros dedos estavam na posição vertical.

Utilizadores do Twitter, incluindo Jann Gobble, um programador informático, interpretaram o gesto como contendo uma mensagem racista em código, associado aos grupos da 'alt-right'.

"Viram este tipo a fazer o White Power na TV?", escreveu Gobble, considerando que o caso "tem de ser investigado" e o membro da Guarda Costeira "tem de ser removido".

A sua associação ao movimento White Power americano começou numa campanha falsa em 2017, destinada a criar indignação, mas desde então têm sido várias as figuras a fazê-lo em público.

A Liga Antidifamação considera este um "gesto de trolls", cujo uso se tem intensificado e o seu significado em contínua evolução.

As tensões raciais intensificaram-se nos Estados Unidos desde que Donald Trump começou o seu mandato presidencial em janeiro do ano passado.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.