“O mercado liberalizado de eletricidade, registou, no final do ano passado, um máximo histórico de clientes de 5,5 milhões”, enquanto o “mercado liberalizado do gás ficou ligeiramente abaixo de 1,2 milhões de clientes”, concluiu o regulador, que publicou o Relatório dos Mercados Retalhistas de Eletricidade e de Gás — 2022.

Apesar do máximo registado no mercado liberalizado de eletricidade, assistiu-se, no ano passado, a uma transferência de 100 mil clientes para o mercado regulado. Já no caso do gás natural, o mercado liberalizado perdeu 154 mil clientes para o regulado.

Segundo a ERSE, os mercados liberalizados de eletricidade e do gás natural representavam 93% e 98% do consumo total e 85% e 76% do total dos clientes, respetivamente.

Em 2022, a EDP manteve a tendência de perda de clientes registada nos últimos anos, detendo, no final do ano, 75% dos clientes do mercado liberalizado na eletricidade e 46% no gás.

Já em termos de consumo, os maiores comerciantes também perderam quota de mercado, sendo que, na eletricidade, a EDP tinha 41% do consumo e, no gás, a Galp concentrava 50%, uma queda de quatro pontos percentuais face ao ano anterior.

No que diz respeito à origem da energia consumida, e apesar do crescente papel das ofertas ditas “verdes”, o regulador observou que, no ano passado, cerca de metade dos comerciantes apresentava um aprovisionamento de eletricidade menos “verde” do que a média do mercado. No ano em análise, a tarifa social abrangia 804 mil beneficiários na eletricidade e 52 mil no gás natural.

A ERSE destacou ainda que as reclamações e pedidos de informação junto da Unidade de Apoio ao Cliente do regulador apresentaram uma diminuição de cerca de 21%, para perto de 28 mil.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.