A marcha realizada em Memphis, onde Martin Luther King foi morto a tiro, contou com a presença de cerca de dez mil pessoas, de acordo com a polícia local.

Em Washington, a multidão reuniu-se em torno do memorial de Luther King, o primeiro dedicado a um negro num panteão onde, até à data, estavam apenas Presidentes norte-americanos.

A partir da cidade natal do ativista político, em Atlanta, Bernice King lembrou o pai como um grande orador, "cuja mensagem de protesto pacífico é ainda vital décadas depois".

O filho, Martin Luther King III, anunciou ao canal de notícias norte-americano CNN, na quarta-feira, o lançamento de uma iniciativa global, com as famílias dos pacifistas indiano Mahatma Gandhi e sul-africano Nelson Mandela, para "incentivarem a não-violência entre os jovens".

Em março passado, a neta Yolanda Renee King, de 9 anos, fez um discurso no protesto estudantil "March for Our Lives", a favor do controlo de armas nos Estados Unidos, aproveitando a célebre frase do avô para expressar "o sonho" de ver "um mundo sem armas".

Martin Luther King assumiu a liderança, em 1955, do movimento de boicote aos autocarros segregados em Montgomery, Alabama. Em 1963, proferiu o famoso discurso "Eu tenho um sonho" diante de 250 mil manifestantes.

Um ano depois, recebeu o Prémio Nobel da Paz pela resistência não-violenta contra a segregação racial.

Nos últimos anos de vida, King foi um mais importantes opositores à Guerra do Vietname, provocando a ira de vários líderes políticos norte-americanos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.