Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), no essencial ficou indiciado na investigação que o arguido, militar em exercício de funções, em 21 de setembro de 2018, por motivos não apurados, empunhou a espingarda automática G3 que lhe estava adstrita em função do serviço de sentinela que estava a executar e encostou-a ao peito de um soldado que aí se encontrava e disparou a arma que empunhava.

Desta forma, atingiu a vítima na zona do peito, provocando-lhe a morte.

O MP refere que a arma utilizada pelo autor do disparo era de cariz militar, com capacidade acrescida de provocar danos físicos.

A investigação foi efetuada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Sintra, da Comarca de Lisboa Oeste, tendo o MP sido coadjuvado pela Polícia Judiciária Militar.

Em 21 de setembro, o Exército anunciou que um militar morreu no Regimento dos Comandos, no quartel da Carregueira, devido a um ferimento causado pelo disparo de uma arma de fogo.

O caso ocorreu às 19:42, com o Exército a referir que foram acionados “os procedimentos de emergência médica e as autoridades competentes para averiguar o ocorrido”.

Já em 28 de novembro, a Polícia Judiciária Militar anunciou ter detido um homem pela presumível autoria deste crime, que se encontra em prisão preventiva.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.