Falando a partir de Lisboa por teleconferência, Marta Temido considerou que todas as nações “dependem e precisam” umas das outras e que é preciso “fortalecer os sistemas de saúde e os cuidados de saúde universais”.

Esta “arquitetura de saúde pública” precisa de ser global e de se fazer com “solidariedade e transparência”, afirmou a ministra durante o plenário da Assembleia Mundial de Saúde, a reunião anual da Organização Mundial de Saúde.

“A covid-19 mudou as nossas vidas e o seu impacto e consequências continuarão a fazer-se sentir durante muito tempo”, considerou, acrescentando que evidenciou “a importância da saúde pública”, que tem implicações em toda a sociedade.

Marta Temido agradeceu aos portugueses pela “maneira responsável” como responderam às medidas de confinamento durante o período em que vigorou o estado de emergência no país e os passos para o retomar lento da normalidade.

A ministra destacou a importância de respeitar os direitos humanos durante este confinamento forçado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 315.000 mortos e infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.231 pessoas das 29.209 confirmadas como infetadas, e há 6.430 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.