“Amanhã [quarta-feira] o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, junta-se a nós, tal como os nosso mais antigos parceiros da Geórgia, Finlândia, Suécia e UE”, anunciou Stoltenberg, em conferência de imprensa.

A agenda da reunião dos aliados, em que Reznikov participa remotamente, centra-se na invasão da Ucrânia pela Rússia, nomeadamente as recentes alegações de Moscovo sobre a existência de armas química na Ucrânia.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla inglesa) salientou ainda que foi reforçada a presença da aliança no leste da Europa.

“Há agora centenas de milhares de militares em alerta”, disse, “apoiados por meios aéreos e navais”.

“Estamos a aumentar a vigilância do nosso espaço aéreo, incluindo com a instalação de novos mísseis Patriot” na zona leste da aliança, especificou Stoltenberg, mencionando ainda o recurso a aviões de vigilância.

“Temos que garantir que somos capazes de reagir, se necessário”, esclareceu, reiterando que a maior responsabilidade da organização é a de “proteger e defender todos os aliados da NATO”, sobretudo numa situação de maior perigo causada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.