O velório do ensaísta decorrerá a partir das 16:00 de hoje na igreja do Campo Grande, em Lisboa.

O funeral realiza-se na segunda-feira a partir das 10:00 na mesma igreja, seguindo depois para a Lousã (Coimbra), com uma cerimónia reservada à família.

Nascido na Guarda em 1933, João Bigotte Chorão formou-se em Direito e trabalhou na Editorial Verbo, na qual coordenou a publicação de várias enciclopédias, entre as quais “Enciclopédia do Século XXI” e “Enciclopédia Luso-Brasileira de Filosofia Logos”.

Fica conhecido sobretudo como ensaísta e autor de uma “crítica humanista ou ontológica, parte da obra para o homem, tantas vezes esquecido numa visão apenas formalista da literatura”, como descreve a editora Quetzal, quando publicou “Além da literatura”.

João Bigotte Chorão, estudioso de literatura autobiográfica, deixa vários ensaios sobre a obra de Camilo Castelo Branco.

Foi membro da Academia das Ciências de Lisboa e do Instituto Luso-Brasileiro de Filosofia, tendo dirigido também o Círculo Eça de Queiroz.

Em 2008 foi distinguido com o Grande Prémio de Literatura Biográfica pela Associação Portuguesa de Escritores, pela obra “Diário quase completo”.

Uma década depois, no seguimento de “Diário quase completo”, João Bigotte Chorão publicou, pela Imprensa Nacional, o volume diarístico “Diário 2000-2015″.

Marcelo enaltece empenho de João Bigotte Chorão na valorização da língua portuguesa

O Presidente da República enalteceu o trabalho do escritor João Bigotte Chorão no "constante empenho no conhecimento e na valorização da literatura portuguesa".

Numa mensagem colocada no ‘site’ da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou a "incansável curiosidade e poderosa capacidade reflexiva" de Bigotte Chorão, distinguido em 2008 com o Grande Prémio da Literatura Biográfica da Associação Portuguesa de Escritores.

O chefe de Estado recordou ainda a "riquíssima ensaística e a criativa crítica literária, que se debruçaram sobre autores dos séculos XIX e XX, com destaque para Almeida Garrett, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Carlos Malheiro Dias, Tomaz de Figueiredo ou João de Araújo Correia".

João Bigotte Chorão, que em 2018 publicou um volume de 300 páginas diarísticas ("Diário 2000-2015"), deixa aos leitores "o que de melhor definiu a sua vida como missão - o subtil diálogo entre a escrita, o escritor e o seu decifrador no tempo e para além dele", referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.