O cantor, autor e compositor foi condenado no ano passado por extorsão e tráfico sexual, num julgamento que deu voz a vítimas que julgavam antes que as suas histórias eram ignoradas por serem mulheres negras.

A sentença de hoje encerra uma queda lenta para o autor do sucesso mundial “I believe I can fly”, atualmente com 55 anos, que continuou a ser idolatrado por legiões de fãs, mesmo após os rumores sobre os seus abusos de raparigas menores terem começado a circular durante a década de 1990.

O júri do tribunal federal de Brooklyn, em Nova Iorque, condenou Kelly após ouvir acusações de que terá usado a sua equipa de assessores e agentes para conhecer jovens raparigas e mantê-las em silêncio.

Terá usado, segundo a acusação, a sua “fama, dinheiro e popularidade” para sistematicamente “predar crianças e mulheres jovens para sua própria satisfação sexual”, acusaram os procuradores, por escrito, no início do mês.

Vários acusadores testemunharam que R. Kelly os submeteu caprichos perversos e sádicos quando eram menores de idade.

Kelly encontra-se preso sem direito a sair sob fiança desde 2019 e enfrenta, ainda, acusações de pornografia infantil e obstrução à justiça em Chicago, num julgamento que está previsto para ter início em 15 de agosto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.