A NATO tem de saber “corresponder a esses três grandes desafios, ao mesmo tempo que seja uma organização capaz de aproveitar da melhor maneira o desenvolvimento de uma identidade europeia de defesa”, afirmou João Gomes Cravinho.

Para o governante, apesar da existência de “alguma controvérsia” sobre a temática, “Portugal vai ser sempre um país que procurará que a identidade europeia de defesa aconteça de forma complementar e harmoniosa com a relação transatlântica”.

O titular da pasta da Defesa Nacional falava aos jornalistas no final da sessão de abertura do V Seminário IDN Jovem, que se realiza até quarta-feira na Universidade de Évora, promovido pelo Instituto da Defesa Nacional em conjunto com a academia.

Gomes Cravinho considerou que “a NATO foi criada para corresponder aos desafios convencionais”, como o confronto que existiu no tempo da Guerra Fria, que ainda existem e aos quais se juntaram “novas ameaças assimétricas, híbridas e ciber”.

“Temos de saber equipar os nossos países para poderem responder, porque são ameaças que podem minar a capacidade de defesa das nossas sociedades. E há um combate internacional contra o terrorismo que ainda persiste e que é preciso continuar”, disse.

O ministro da Defesa adiantou que vai acompanhar o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, na cimeira da NATO que vai decorrer, na terça e quarta-feira, em Londres.

“Este é o momento para olhar para trás e utilizar essa reflexão sobre a profundidade das relações que existem entre os aliados da NATO para projetar para o futuro e pensar sobre as características que queremos para a nossa aliança no futuro”, realçou.

Na abertura do seminário, o governante desafiou os estudantes a refletirem sobre questões de segurança e defesa nos seus trabalhos para “densificar o pensamento em Portugal sobre as questões estratégicas que vão ser fundamentais no futuro”.

Existiram “enormes transformações no mundo, desde que eu tinha a idade deles, mas creio que o tempo que vai entre o momento presente e quando eles tiverem a minha idade, daqui a 30 e tal anos, as transformações serão ainda mais profundas”, notou.

João Gomes Cravinho advertiu que existe “um conjunto de fatores e dinâmicas internacionais globais” cuja evolução é imprevisível, como “as inovações tecnológicas, o aparecimento de forças de alguns países que querem subverter a ordem internacional ou forças que não são controladas por estado nenhuns”.

“Temos um mundo pela frente que é complexo e difícil e que exige a nossa atenção”, concluiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.