“O primeiro-ministro expressou a sua insatisfação com as posições anti-Israel tomadas pelos delegados russos na ONU [Organização das Nações Unidas] e outros fóruns”, revelou, em comunicado, o gabinete de Netanyahu.

A nota foi divulgada após uma chamada telefónica entre os dois líderes, na qual o primeiro-ministro de Israel abordou os esforços de cooperação internacional entre a Rússia e o Irão, bem como as “posições contra Israel”.

Contudo, Netanyahu também sublinhou os esforços feitos pela Rússia para garantir a libertação dos reféns detidos pelo Hamas e outras milícias palestinianas.

Por sua vez, o Kremelin disse, também em comunicado, que a conversa centrou-se na “situação aguda do conflito israelo-palestiniano e, em particular, na situação humanitária catastrófica na Faixa de Gaza”.

Putin reiterou condenar todas as manifestações de terrorismo e defendeu ser “extremamente importante” que a luta contra as ameaças terroristas não tenha consequências terríveis para a população civil.

Os bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza já provocaram 17.700 mortos e 48.780 feridos, anunciou, no sábado, o Ministério da Saúde, controlado pelo Hamas.

O número real de mortos e feridos pode ser muito superior ao revelado, uma vez que os serviços de resgate e as Organizações Não Governamentais (ONG) não conseguem aceder a todas as áreas que foram bombardeadas.

A guerra foi desencadeada pelo ataque em solo israelita, em 7 de outubro, por comandos do Hamas infiltrados a partir de Gaza, durante o qual, segundo as autoridades israelitas, foram mortas 1.200 pessoas.

O Hamas também fez cerca de 240 reféns, 138 das quais permanecem em cativeiro.

Em resposta, Israel prometeu aniquilar o Hamas, que está no poder na Faixa de Gaza desde 2007 e foi classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.