De acordo com o diário The New York Times, que citou responsáveis que pediram o anonimato, a Rússia pediu à China equipamentos militares para a guerra, e uma ajuda económica para ultrapassar as sanções ocidentais.

As mesmas fontes não indicaram a natureza exata da ajuda pedida, nem se a China respondeu.

“Nunca ouvi falar disso”, reagiu um porta-voz da embaixada da China, em Washington, numa declaração a vários órgãos de comunicação social.

A notícia surgiu na véspera de uma reunião, em Roma, entre o conselheiro para a segurança do Presidente dos Estados Unidos Jake Sullivan e o responsável do Partido Comunista Chinês para as questões diplomáticas, Yang Jiechi.

Os dois responsáveis e respetivas equipas “vão analisar os esforços em curso para gerir a concorrência entre os dois países e também debater o impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia na segurança regional e mundial”, disse, em comunicado, a porta-voz do Conselho de Segurança da Casa Branca Emily Horne.

Também no domingo, em declarações à cadeia de televisão CNN, Jake Sullivan salientou que os EUA “vigiam estreitamente em que medida a China fornece, de alguma maneira, seja material ou económica, assistência à Rússia”.

“Esta é uma questão preocupante para nós”, acrescentou.

Sullivan insistiu que Washington “fez saber a Pequim que não ficará passivo e não deixará qualquer país compensar as perdas da Rússia devidas às sanções económicas”, impostas desde o início da invasão russa da Ucrânia.

“Haverá, sem dúvida, consequências em caso de ações importantes que visem contornar as sanções”, advertiu Jake Sullivan.

Desde o início da invasão que o regime comunista chinês se absteve de pedir ao Presidente russo, Vladimir Putin, para retirar as tropas da Ucrânia.

O diplomata norte-americano Richard Haass, do ‘think-tank’ Conselho de Relações Estrangeiras, indicou, numa mensagem na rede social Twitter que se a China ajudar a Rússia, ficará “exposta a sanções substanciais e transformada num pária; recusar manteria aberta a possibilidade de uma cooperação” com o Ocidente.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.