Segundo o boletim de ocorrências da polícia, os agentes estavam a perseguir duas pessoas que se deslocavam de motorizada em Paraisópolis, quando estes dispararam contra a polícia e fugiram para o meio da festa, onde se encontravam mais de cinco mil pessoas.

A polícia chamou, de imediato, reforços e entrou no local onde as pessoas estavam a dançar.

Segundo a versão das autoridades, os agentes da polícia foram recebidos com pedras e garrafas, pelo que as equipas da Força Tática da Polícia Militar usaram "munições químicas" para "dispersar e [conseguir manter] a segurança dos agentes", como consta de um relatório oficial ao qual a agência de notícias espanhola Efe teve acesso.

O comissário de polícia Emiliano da Silva Neto disse aos jornalistas que as mortes aconteceram em resultado de "um acidente" causado pelo "efeito rebanho" e enfatizou que, em princípio, "não houve nenhum excesso" cometido pela polícia.

Algumas testemunhas no local contrariam o relato da Polícia Militar.

O governador do Estado de São Paulo, João Dória, lamentou a tragédia através das redes sociais e determinou uma "rigorosa investigação dos factos para esclarecer quais eram as circunstâncias e de quem foi a responsabilidade pelo triste episódio".

Este tipo de festa é frequente em Paraisópolis, uma enorme favela que faz fronteira com um dos bairros mais ricos da capital São Paulo.

*Com agência Lusa

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.