"Governo considera incompreensível que, quando o país mais precisa, não possa contar com Bloco de Esquerda para viabilizar um orçamento de estado que combate uma pandemia gravíssima, protege as pessoas e que apoia a economia e o emprego", disse Duarte Cordeiro em conferência de imprensa.

Esta reação do Governo surge depois da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, ter anunciado que o partido vai votar contra o Orçamento do Estado de 2021 (OE2021) na generalidade na quarta-feira, no parlamento.

Interrogado se o Governo aceita prosseguir as negociações com os bloquistas, procurando que esta força política inverta o seu sentido de voto na fase de especialidade, até à votação final global da proposta orçamental, Duarte Cordeiro respondeu: "A posição do Bloco de Esquerda é de quem sai do processo de negociação, de quem se afasta, e não temos mais informação para além daquela que o BE transmitiu".

"O Bloco de Esquerda, ao decidir votar contra, decidiu também colocar-se do lado de quem não quer este Orçamento viabilizado. Não vai ser pelo Bloco de Esquerda que as respostas que estão neste Orçamento do Estado vão ser discutidas na especialidade. Essa é uma decisão que o próprio Bloco terá de tomar se quer ou não alterar a sua posição e continuar o diálogo", sustentou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Perante os jornalistas, Duarte Cordeiro referiu que ainda neste domingo o Governo fez chegar aos bloquistas uma nota com argumentos em relação às razões que estavam a ser invocadas por este partido "e que já preparavam o voto contra logo na generalidade".

"E a resposta que tivemos foi a manutenção do voto contra. Agora, só o Bloco de Esquerda pode alterar a sua posição e não é o Governo que pode alterar a posição do Bloco de Esquerda. O Governo sinalizou a sua disponibilidade para continuar a conversar e mostrou-se disponível para fazer alterações. Portanto, caberá ao Bloco de Esquerda tomar qualquer passo relativamente a essas matérias", disse.

Interrogado sobre que significado tem para a estabilidade política no país a decisão de o Bloco de Esquerda se afastar do processo negocial do Orçamento, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares respondeu: "Significa que temos de trabalhar para viabilizar a nossa proposta de Orçamento do Estado".

"Este Orçamento contém um conjunto de aproximações significativas aos assuntos e às propostas que os partidos, em particular o Bloco de Esquerda, nos foram fazendo. Este Orçamento é caracterizado pela generalidade da opinião pública como sendo de esquerda e muito diferente de orçamentos que o país teve no passado para responder a outras crises", defendeu.

De acordo com o membro do executivo, "é incompreensível que, num momento crítico para Portugal e para os portugueses - segundo a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, a maior crise das nossas vidas -, o Bloco de Esquerda decida deixar de fazer parte da solução que em 2015 contribuiu para recuperar o país".

"Lamentamos que, apesar da disponibilidade demonstrada pelo Governo, o Bloco de Esquerda se tenha afastado do processo", acrescentou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.