Fonte ligada à organização deste protesto confirmou que a iniciativa foi desconvocada. O protesto visava manifestar solidariedade com os cinco comandantes afastados temporariamente na sequência das averiguações internas ao furto de material de guerra, em Tancos, Santarém.

A notícia foi avançada pelo Expresso, que tendo tido acesso ao conteúdo, relatou que a intenção inicial passava por uma convocar uma concentração às 11h30, em frente ao Monumento aos Mortos, na zona da Torre de Belém, à qual se seguia uma marcha silenciosa em direção ao Palácio de Belém. E, já diante da residência oficial do Presidente da República, os oficiais iriam depor simbolicamente as espadas.

O gesto de entregar a espada "simboliza a perda do comando", assinalou à Lusa o coronel na reforma Tinoco de Faria, um dos promotores da iniciativa: "Entregamos a nossa espada, em solidariedade com aqueles que, sem responsabilidade nenhuma, o perderam", afirmou, segunda-feira.

Hoje, a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) demarcou-se deste protesto. Em declarações à Lusa, o presidente da AOFA, coronel António Mota considerou que o afastamento dos cinco comandantes de unidade "é um ato de comando" do Chefe do Estado-Maior do Exército, independentemente de se concordar com a decisão.

"O CEME utilizou essa prerrogativa que só a ele lhe cabe. Antes nomeou-os e agora exonerou-os temporariamente. Isto é um ato de comando, independentemente de nós concordarmos ou não é um assunto interno do Exército e que não está no âmbito da associação", explicou.

Na sua página na rede social Facebook, o comandante das Forças Terrestres, António de Faria Menezes, também desencorajou à participação no protesto, ao afirmar, numa publicação colocada segunda-feira à noite, que "ser soldado não é arrastar espadas nem condecorações".

"As Forças Armadas e o Exército que sirvo assentam na disciplina. O tempo que vivemos exige sentido de estado, serenidade e responsabilidade aos militares do ativo, reserva ou reforma, todos eles dignos e relevantes no apoio do todo que é Portugal", afirmou o tenente-general Faria Menezes.

"Vivemos num Estado de Direito e as instituições funcionam. Respeitemos os portugueses e sejamos, como sempre, exemplo", acrescentou.

O presidente da comissão de Defesa Nacional, Marco António Costa, também apelou hoje à "contenção", apesar de compreender o sentimento "de alguma apreensão e até revolta" de "alguns senhores oficiais".

"Compreendo que haja da parte de muitos senhores oficiais das Forças Armadas um sentimento de alguma apreensão e até revolta. Os acontecimentos têm-se sucedido sem uma explicação lógica entre si, mas o parlamento contribui sempre de forma serena e responsável para a manutenção de uma ordem institucional absolutamente impecável", afirmou.

O Exército divulgou quinta-feira que dois paiolins dos Paióis Nacionais de Tancos foram assaltados, registando o furto de armamento de guerra. A comissão de Defesa Nacional aprovou hoje as audições parlamentares do ministro da Defesa e do chefe do Estado-Maior do Exército, que não tem ainda data marcada, mas que os deputados querem que se realizem ainda esta semana.

[Notícia atualizada às 19:22]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.