Zeid Ra’ad Al Hussein manifestou também preocupação com a renovação do estado de emergência e com o “clima de medo” que reina na Turquia, particularmente desde a tentativa de golpe de estado em julho de 2016.

O alto-comissário das Nações Unidas adiantou que o escritório dos direitos humanos contabiliza 150.000 funcionários públicos suspensos e, durante o último fim de semana, foram demitidos 4.000, dos quais 1.000 são trabalhadores do Ministério da Justiça.

O mesmo responsável afirmou que, na semana passada, 10.000 polícias foram transferidos dos seus postos e 1.000 foram detidos.

“Com estes números elevados, é muito improvável que as suspensões e detenções tenham cumprido as normas do devido processo”, disse.

Zeid reconheceu o direito do estado turco para lutar contra o terrorismo, mas advertiu que isso não deve ser feito à custa dos direitos humanos.

O alto-comissário chamou também a atenção para as detenções em massa de jornalistas na Turquia e pediu ao governo para se lembrar que “o jornalismo não é um crime”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.