Aprovada por maioria simples com os votos do Partido Popular (ÖVP, democratas-cristãos) e do Partido da Liberdade (FPÖ, nacionalistas), que integram a coligação de governo, a nova legislação prevê multas de até 440 euros para os pais das menores que não cumpram.

O Governo apresentou a decisão como “uma medida contra a doutrinação religiosa e a estigmatização”.

Outro dos objetivos é proteger as menores de uma alegada “sexualização prematura”, justificou o vice-chanceler e líder do FPÖ.

Vários especialistas advertiram que a normativa poderá ferir diversos princípios da Constituição, como o da liberdade religiosa e da não discriminação, bem como o das normas jurídicas que regulam o funcionamento escolar e requerem maioria qualificada para a sua aprovação.

O Partido Social-Democrata, a maior força política da oposição, e os liberais do NEOS tinham manifestado disponibilidade para apoiar a legislação, caso a proibição do véu fosse acompanhada por um pacote de medidas para facilitar a integração de imigrantes e refugiados.

“Não vejo que integrar através de multas seja uma solução. São necessárias medidas adicionais”, disse o social-democrata Heinrich Himmer, presidente do Conselho Escolar de Viena, citado pela agência austríaca APA.

O Governo recusou negociar o projeto, tendo optado pela aprovação como lei simples, uma opção que pode comportar um “risco legislativo” e poderá ser impugnável junto do Tribunal Constitucional, segundo explicou o jurista Bernd-Christian Funk.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.