Na segunda-feira, o Presidente da República afirmou que o chefe de Estado não pode ter "preferências" nem "amuos", tendo dado razão a Passos Coelho quando este disse, na ECO Talks, uma iniciativa do jornal económico digital ECO, que ainda bem que Marcelo não era presidente do PSD.

"Não vou responder à sua pergunta, não sou comentador. Acho que os jornais e a comunicação social têm imenso interesse em fazer comentários sobre o que um diz e o que o outro diz. Eu não sou comentador do senhor Presidente da República e portanto não vou responder à sua perguntar", respondeu Passos Coelho aos jornalistas quando questionado sobre estas declarações de Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República sublinhou nessas mesmas declarações, na Covilhã, no âmbito da terceira edição da iniciativa "Portugal Próximo" que o chefe de Estado "não pode ter preferências nem pode ter amuos" e "não pode gostar mais de uns portugueses do que de outros".

Interrogado sobre se tem havido amuo do PSD em relação àquilo que tem sido a atuação do chefe de Estado, o líder do PSD foi perentório: "não, pelo contrário. Até houve elogio da nossa parte à atuação do Presidente da República".

Esta troca de opiniões começou na ECO Talks, sessão na qual Passos Coelho comparou o papel que o atual Presidente da República desempenha de apoio institucional ao Governo com a cooperação que Cavaco Silva tinha com o então executivo de José Sócrates.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.