Depois do ritmo destes dias, amanhã até vai parecer um dia estranho, não? O que vai fazer?

Vou dar um mergulho, ficar em família.

Qual é a praia de eleição?

Costumo ir à praia Formosa, aqui no Funchal, na zona oeste. Aliás, na zona dos hotéis é a maior extensão de praia. Praia, calhau [risos]. Ainda ontem antes da campanha, de manhãzinha, logo que acordei, peguei na mota, fui dar um mergulho e voltei para casa.

Antes da campanha, a que horas é que isso foi?

Eram umas oito da manhã. Foi dar um mergulho e voltar para casa. É uma limpeza…

Vamos a isto?

Vamos lá.

Paulo Cafôfo está a dois dias de poder vir a fazer a história. Ou não. O candidato independente, cabeça de lista às eleições regionais da Madeira, acredita que sim. No entanto, assume que o resultado mais provável, seja qual for o vencedor, será a vitória sem maioria absoluta e por isso posiciona-se desde já para futuros acordos: "todos os partidos menos o PSD."

Para negociar com o PS, o candidato estabelece o programa socialista como base de negociação. Isso e a vontade de mudar. Cafôfo quer mudar a Madeira, atira que quer um ferry todo o ano, entre Lisboa e o Funchal, e que pretende criar cinco mil empregos ligados à economia do mar. Lamenta que a região autónoma tenha, nos últimos oitos anos, perdido a sua "geração mais bem preparada de sempre" e quer meter a colher entre o Governo Regional e a República para que o diálogo se volte a normalizar.

Mas não se confundam as coisas, "sou madeirense e não sou barriga de aluguer de ninguém. Penso pela minha própria cabeça", diz. Por aqui já governou a Câmara Municipal do Funchal, pano de fundo da esplanada onde acontece esta entrevista e de onde Paulo Cafôfo se demitiu para se candidatar ao Governo Regional. Ainda assim, após seis anos, diz ter saído com obra feita e orgulhoso dela.

Se ficou com o nome marcado na história da capital madeirense? "Não estou aqui para inscrever o meu nome na história. Estou aqui para fazer o melhor que sei e melhorar a vida das pessoas", remate.

Há quatro anos o PS elegeu cinco deputados, ficou atrás do CDS e taco a taco com o JPP. Nestas eleições, está a lutar com o PSD por uma vitória. O que mudou em quatro anos?

O que mudou em quatro anos foram duas coisas. Em primeiro lugar, o projeto do PS. Temos um projeto de poder para melhorar a vida das pessoas com reformas estruturais, com medidas concretas em áreas essenciais como a saúde, como a economia, como a habitação, como a própria continuidade territorial, com a questão do ferry e ligação de ferry ao continente. Temos um projeto bem definido, criado num programa com abertura à sociedade civil. Nós fizemos uma abertura histórica do partido com os Estados Gerais. Houve quadros de empresas, professores universitários, cidadãos das suas diversas áreas que quiseram dar o seu contributo para termos um projeto para a próxima década com uma estratégia bem definida e isso fez toda a diferença na confiança e no ponto em que nós estamos para ganhar as eleições.

E como vê a evolução da Madeira nestes quatro anos?

Tivemos uma desilusão, uma renovação apregoada por Miguel Albuquerque que não aconteceu. Temos um governo que esgotou a sua capacidade governativa, de resolver os problemas, que tem instigado o medo, que tem fomentado o compadrio, a política do quero-posso-e-mando. E esse quero-posso-e-mando já se invocou em várias situações, ficou conhecida a frase de Miguel Albuquerque de poder asfaltar uma estrada pela Laurissilva adentro, a Laurissilva que é património mundial da UNESCO, pondo em causa essa própria classificação. Ou quando quer aumentar, num licenciamento já feito, a aquacultura, aquelas jaulas na zona oeste da ilha e na zona sul que está em crescimento turístico. Não são conciliáveis as duas atividades. Ou quando temos as ribeiras a saque, com extração de inertes, pondo em questão o ambiente, a biodiversidade, mas também a própria segurança. Como sabemos, a Madeira tem sido alvo nos últimos anos de catástrofes naturais, mas têm por vezes uma origem na ação humana e isso é um exemplo claro.

Este é um projeto que é do Partido Socialista. Sou o cabeça de lista, não sendo filiado, mas não sou alguém que está à parte.

Entrou na Câmara do Funchal como independente em 2013, mas seis anos depois, nas imagens do comício ao lado de António Costa parecia que sempre fez parte do PS. O que o seduziu no partido?

As ideias. Revejo-me naquilo que são os valores democráticos do PS, um partido humanista e progressista. E este é um projeto que é do Partido Socialista. Sou o cabeça de lista, não sendo filiado, mas não sou alguém que está à parte.

Porque não se filia no partido?

Como disse e muito bem, entrei na vida política em 2013. Sou um professor, nunca tive qualquer participação político partidária e, há uns anos, surgiu, sem esperar, um convite para encabeçar a candidatura à Câmara Municipal do Funchal e as coisas aconteceram de uma forma natural. Acho que a participação política não se esgota na filiação. Por vezes critica-se que os partidos não têm capacidade de atrair pessoas para a política, quando essas políticas chegam perguntam, "então, está a colaborar com o partido, mas não se filia?". O que é importante é todos nós participarmos independentemente da nossa condição, é podermos dar o contributo enquanto cidadãos para alterar um bocado o mundo em que vivemos. Eu estou a dar esse contributo naquilo que considero ser uma missão que tenho de melhorar a vida das pessoas, das nossas pessoas e poder fazer a diferença fazendo melhor.

Para o partido não há distinção entre militantes e independentes?

Nós temos, curiosamente, nos primeiros 24 lugares, que é a nossa bitola, nove independentes. Isto significa muito no valor que nós damos aos independentes, à sua participação. Os próprios Estados Gerais foram isso, uma abertura à sociedade civil, entre contributo de militantes e de pessoas nunca tinham sequer tido intervenção partidária. Isto é um momento de mudança e nós temos tido capacidade de atrair pessoas para isto mudar realmente. Isto só se faz com um projeto sólido, bem estruturado e com pessoas para o executar. Temos estas condições e por isso, só pode dar certo.

Estivemos um ano e meio a preparar um programa de governo. São centenas e centenas de horas de trabalho com muito empenho de tantas e de tantos que quiseram dar esse seu contributo.

Ontem no debate realizado na RTP Madeira falava no ferry e numa medida de criação de cinco mil empregos na economia ligada ao mar. Uma das críticas ao seu discurso é que não explica como vai concretizar essas medidas. Como é que vai chegar lá?

As medidas estão bem estruturadas, estão bem explicadas, às vezes há outro ruído no meio da campanha que faz crer que estas questões são questões que estão no ar, mas não estão. Estivemos um ano e meio a preparar um programa de governo. São centenas e centenas de horas de trabalho com muito empenho de tantas e de tantos que quiseram dar esse seu contributo. O ferry é uma necessidade. Repare, nós vivemos numa ilha e precisamos de ter a continuidade territorial garantida, seja pela via aérea, seja pela via marítima e por isso o ferry, o ano todo, é essencial. Para sairmos da ilha ou saímos de avião ou saímos de barco. Neste momento estamos a falhar na questão do barco e é necessário que haja esta ligação o ano todo. Isto tem de ser incluído no âmbito da continuidade territorial, ou seja, o Estado tem também o dever e a obrigação de comparticipar os residentes para poderem sair da ilha pela via marítima, mas também tem de ser uma operação estruturada e sustentada. Uma das formas de o fazer é para Lisboa. Nunca experimentámos para Lisboa. O porto de Lisboa já garantiu, isto foram conversas que tive com a própria ministra do Mar, o Cais da Pedra, para ser um local onde o ferry possa atracar. Porque uma coisa é ir para Portimão, outra coisa é ir para Lisboa. No que diz respeito à economia em si falou na questão...

… dos cinco mil empregos.

Quando falo de economia falo de pessoas, falo da criação de emprego, falo de melhores salários, falo fixação de pessoas porque infelizmente, nos últimos oito anos, 14 mil madeirenses foram obrigados a emigrar, maior parte deles jovens. Nós estamos a desperdiçar a geração mais bem preparada de sempre. Temos na economia três questões importantes. Primeiro, diversificar a economia, temos de ter capacidade de atrair novos investimentos em novas áreas e aqui a economia do mar é uma delas. Temos revitalizar o turismo, o turismo está a perder. Todos os números deste ano, seja o Revpar [métrica de desempenho no setor de hotelaria], seja o número de hóspedes, estamos a perder. Temos de revitalizar aí o turismo com mais promoção e incentivo à captação de novas rotas aéreas diretas. Temos de baixar os impostos e tenho o compromisso já de baixar o próprio IVA. A economia faz-se com um incentivo a uma diversificação. Nós temos um mar subaproveitado. Não sei se sabe, em termos de território marítimo temos 552 vezes uma área maior do que a área terrestre. É brutal e nós temos que aproveitá-lo.

Como?

Primeiro lugar, captando novos investimentos. Teremos um Fundo Azul Madeira, precisamente para incentivar e apoiar investimentos na área do mar. Queremos descentralizar o foco do Centro Internacional de Negócios da Madeira com benefícios fiscais, precisamente para investimentos na área da economia do mar. E teremos no Caniçal um Port Tech Cluster que será essencial para ter uma plataforma de empresas em áreas da inovação, tecnológicas, da energia, robótica, da indústria da transformação do pescado e portanto, tudo isto estará relacionado e terá a capacidade de criar postos de trabalho, de criar riqueza e aumentar o nosso PIB.

Sou madeirense e não sou barriga de aluguer de ninguém. Penso pela minha própria cabeça

Como responde a quem o acusa de ser a barriga de aluguer da República?

Sou madeirense e não sou barriga de aluguer de ninguém. Penso pela minha própria cabeça. Agora, entendo que deve haver um relacionamento diferente entre a região e a República. Nós já somos ilha, não precisamos de tornar a ilha mais pequena. Aquilo que é preciso é responsabilidade e respeito, mas para haver respeito temos que nos dar ao respeito se quisermos ser respeitados. O que acontece neste momento é que há uma relação sempre conflituosa com a República não para resolver problemas, mas para ocultar a incapacidade do governo regional em resolver os seus problemas. Neste momento, a autonomia está aprisionada por um partido que é o PSD que só levanta questões para se poder manter no poder. Eu encaro a autonomia como mais do que uma gritaria entre Lisboa e o Funchal. O que é preciso aqui é nós termos a responsabilidade de conseguir usar a autonomia para desenvolver a região, resolvermos os nosso problemas com a solidariedade de Lisboa porque o reconhecimento constitucional de Lisboa implica que haja uma solidariedade nacional com estas regiões, Madeira e Açores, e uma discriminação positiva. Agora, o que eu penso é que tem de ser feito de outra forma, temos de ter inteligência e capacidade de estabelecer pontes, diálogo, negociação e acordos para resolver os problemas e há problemas que existem. Haja vontade política para o fazer. Neste momento, o governo regional não tem tido.

Autonomia tem de ser utilizada não como arma de arremesso político, como joguete eleitoral, mas tem de ser usada para resolver o problema dos madeirenses

Acha que é preciso aumentar a autonomia?

É preciso é fazer a autonomia funcionar. Vou-lhe dar um exemplo. Sabe quais são as áreas que estão completamente regionalizadas? A saúde e a educação. São precisamente estas áreas onde temos problemas mais graves. Autonomia tem de ser utilizada não como arma de arremesso político, como joguete eleitoral, mas tem de ser usada para resolver o problema dos madeirenses.

Isso devia servir de auto diagnóstico?

Isto tem que ser é aplicado. O diagnóstico é feito é pelas pessoas. Para mim a autonomia é uma autonomia de resultados, uma autonomia de consequências, uma autonomia de resultados e consequências é uma autonomia que resolve o problema das pessoas que não usa o nome da autonomia simplesmente para criar um inimigo externo e com isso ocultar a sua incapacidade e incompetência.

créditos: Paulo Rascão | MadreMedia

As sondagens parecem criar uma premissa para esta eleição que é a de que não haverá maiorias absolutas. O PS tem a experiência de já ter governado em coligação no Funchal. Isso é uma benesse?

Temos de respeitar aquilo que será a decisão do sufrágio, a decisão do povo. Eu respeito e estou preparado para estabelecer acordos com outros partidos. Aliás, já tenho essa experiência na Câmara Municipal do Funchal nos dois mandatos em que fui presidente de Câmara. Aquilo que irei fazer é chegar a entendimentos. Tudo indica que não teremos maioria absoluta, acredito que vamos ganhar as eleições. Em 2013, quando ganhei pela primeira vez a Câmara não fiquei à frente de nenhuma sondagem. Acredito que é possível um entendimento com os partidos que queiram, realmente, uma mudança de políticas. E isso implica o quê? Que estejam alinhados com o programa do PS, tem que haver uma base de negociação que será aquilo que está escrito no nosso programa e que haja uma garantia de estabilidade política.

O CDS pode ser esse partido?

Todos os partidos menos o PSD.

No caso concreto da JPP, a verdade é esta: se não estivessem coligados nunca teriam sequer eleito um deputado municipal

Falei com alguns antigos parceiros de coligação e não teceram propriamente os maiores elogios. Por exemplo, o JPP acusou-o de monopolização do discurso e de demasiada envolvência com os grandes grupos económicos.

Uma coligação é feita de entendimentos e a verdade é que nós conseguimos no Funchal esses entendimentos. No caso concreto da JPP, a verdade é esta: se não estivessem coligados nunca teriam sequer eleito um deputado municipal. Prefiro convergir e que haja entendimentos do que estar sozinho. O PS era o maior partido da coligação portanto temos também de ver as diferenças do peso político e reconhecer que não se pode pôr ao mesmo nível o JPP ou o PS. O JPP tem de entender isso e penso que já reconheceu também isso.

Temos de nos deixar de alguma demagogia. Na política têm de estar os melhores e quando os melhores decidem deixar a sua vida profissional para abraçar um projeto não podemos estar a criticá-los

Quando se assume a alternativa, e pegando nessa deixa do JPP, tem pessoas ligadas ao grupo Sousa na sua equipa. Isso é alternância ou continuidade?

Tenho uma pessoa que teve a coragem que poucos têm de aderir a este projeto e de se demitir da empresa onde trabalhava. O Sérgio Gonçalves está de corpo e alma neste projeto. Temos de nos deixar de alguma demagogia. Na política têm de estar os melhores e quando os melhores decidem deixar a sua vida profissional para abraçar um projeto não podemos estar a criticá-los. Portanto, aquilo que posso garantir é que connosco haverá total independência dos grupos económicos. Sou um defensor da iniciativa privada e acho que o Governo Regional deve impulsionar a iniciativa privada, mas para termos uma região mais competitiva temos de fomentar a igualdade. Não pode haver aqui uns favorecidos relativamente a outros, acredito na dinâmica, do impulso da iniciativa privada. Quanto mais melhor porque significa mais empresas e melhores salários.

Se ganhar vai pôr fim à zona franca da Madeira?

De todo, não. A zona franca da Madeira, o Centro Internacional de Negócios, é importantíssimo para região. Aliás, acho que devemos valorizar a zona franca e acrescentar valor, aliando às propostas para a economia do mar, mas também fazendo algo que não está concretizado, mas que está previsto que é o registo internacional de aeronaves. Temos de potenciar porque é muito importante não só para as receitas que provoca ou que acresce à nossa economia, são cerca de 120 milhões de euros anuais, mas porque cria emprego. Ou seja, estamos a falar de um impacto real na vida das pessoas. Por isso, tudo faremos para fortalecer o Centro Internacional de Negócios.

Sobre o período em que foi autarca. Entrevistei o dr. José Prada, secretário-geral do PSD Madeira, que me disse que se perguntasse, aleatoriamente, a 200 pessoas uma grande obra sua no Funchal, que nenhuma me saberia dizer uma única.

[Ri-se] Olhe, a reabilitação urbana, os programas sociais que nós tivemos, o próprio PDM que o PSD não concluiu, são tudo obras que eu tenho muito orgulho em termos de trabalho autárquico que fiz e que o PSD não soube fazer quando lá esteve. Além de ter resolvido uma coisa que foi uma dívida enorme, reduzi em 60% a dívida da Câmara Municipal do Funchal. Foi uma gestão rigorosa com o investimento certo. Um dos problemas que a região tem de resolver é a habitação social. Fui o único que construiu habitação social. Basta ver o bairro social que construi ali nos viveiros e a melhoria na vida das pessoas. Isto faz toda a diferença e pode perguntar às pessoas. Tenho a certeza de que se assim não fosse não teria tido sequer maioria absoluta em 2017.

Inscreveu o seu nome na história do Funchal?

Não estou aqui para inscrever o meu nome na história. Estou aqui para fazer o melhor que sei e melhorar a vida das pessoas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.