Em comunicado, o PCP aludiu à informação hoje divulgada pelo regulador do setor energético, ERSE, segundo a qual a Galp vai obter “um valor das margens comerciais”, entre 2010 e 2026, “em torno de 1.158 milhões de euros”, com a “venda de excedentes de GNL (gás natural liquefeito) nos mercados internacionais”.

Ou seja, estimaram os comunistas, entre 2010 e 2016, a empresa vai arrecadar “cerca de 476,8 milhões de euros sem que tal tenha tido nenhum impacto na redução das tarifas de gás natural aos consumidores portugueses”.

Para mais, realçou o PCP, “tal ocorre em simultâneo com a recusa da Galp em pagar a Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético!”.

Esta informação, acrescentou o PCP no seu comunicado, “dá inteira justificação ao recente requerimento do PCP para audição parlamentar do secretário de Estado da Energia, para que essas mais-valias comerciais venham a ser devolvidas aos consumidores portugueses através de uma correspondente descida dos preços do gás natural”, o que, anunciou, também vai ser objeto de “adequada proposta” no quadro do Orçamento do Estado para 2017.

Os comunistas entenderam ainda que “o que a ERSE agora ‘descobriu’ deve ser considerado um verdadeiro escândalo nacional”, além de ser, acrescentaram, “a demonstração da enormidade política da privatização da GALP e das suas graves consequências para a economia e as famílias portuguesas”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.