No primeiro Conselho de Administração plenário, presidido por Isabel Mota e realizado hoje, a decisão foi tomada por unanimidade, de acordo com o comunicado divulgado.

Pedro Norton foi diretor executivo do Grupo Impresa, onde acompanhou o nascimento da SIC Notícias e a reestruturação do semanário Expresso.

Isabel Mota tomou posse na quarta-feira como presidente do Conselho de Administração da Fundação Gulbenkian, sucedendo a Artur Santos Silva.

De acordo com o comunicado da Gulbenkian, o conselho deliberou também um limite de dois mandatos consecutivos, de cinco anos cada, para os administradores executivos, regra a que já obedecia o presidente da Fundação Gulbenkian, e que é agora extensível aos seus administradores.

“Além das competências de Pedro Norton enquanto gestor, o Conselho de Administração da Fundação Gulbenkian destaca as suas qualidades pessoais e profissionais demonstradas nos vários momentos da sua carreira”, assinala.

Pedro Norton integrará, a partir de maio, o Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), ao lado de Teresa Gouveia, Martin Essayan, José Neves Adelino e Guilherme d’Oliveira Martins.

Na cerimónia da tomada de posse, na quarta-feira, Isabel Mota, de 65 anos e a primeira mulher a liderar a FCG, disse: "Importa compreender que há novos desafios e, mantendo-se fiel às suas finalidades estatutárias, a Fundação tem de ousar trilhar caminhos novos, como, aliás, sempre o fez no passado".

A tomada de posse da nova presidente encheu o auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, com convidados como os ex-chefes de Estado Aníbal Cavaco Silva e Jorge Sampaio, o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e o filósofo Eduardo Lourenço, entre centenas de funcionários da instituição.

"Para mim, este é também o principal desígnio da Fundação - a mais relevante instituição filantrópica portuguesa -, antecipar o futuro e apostar na inovação, ajudando a preparar os cidadãos de amanhã", sublinhou Isabel Mota, que, na intervenção, reafirmou os três compromissos que assumiu no final do ano passado, quando o seu nome foi anunciado.

Entre esses compromissos essenciais, que destacou, está o acompanhamento "dos mais vulneráveis, que deverão ser os principais beneficiários da atividade da Fundação".

Nesses compromissos, também apontou o futuro, para prosseguir o propósito de manter a Fundação a acompanhar os novos tempos, e a importância da cultura, compreendendo a arte, a educação e a ciência.

Instituição sem fins lucrativos criada com bens do mecenas arménio Calouste Gulbenkian (1869-1955), legados a Portugal sob a forma de fundação, a partir de disposição testamentária, a Gulbenkian tem como principais atividades, exercidas em quatro áreas estatutárias, a arte, a beneficência, a educação e a ciência.

A FCG possui ainda uma orquestra própria, um coro, bibliotecas, salas de espetáculos e duas coleções de arte, uma de arte antiga e outra de arte contemporânea, expostas ao público.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.