No condado de Charlotte, situado na costa oeste da Florida e muito perto da área onde Ian chegou a terra, houve “pelo menos oito ou nove mortes”, disse o vereador Joseph Tiseo, citado pela CNN.

O canal de televisão mencionou também a morte de cinco pessoas no condado vizinho de Lee, onde, segundo imagens publicadas nas redes sociais, se registaram grandes inundações e destruição de habitações.

Dana Souza, autarca de Sanibel, disse que quatro pessoas morreram na ilha. Parte da única ponte de ligação ao continente ruiu, deixando Sanibel, onde vivem 6.300 pessoas, isolada.

O condado de Sarasota registou duas mortes relacionadas com o furacão, disse a xerife Kaitlyn Perez à CNN.

Por outro lado, uma pessoa que estava em cuidados paliativos num lar de idosos morreu no condado de Osceola, confirmou o diretor de Gestão de Emergências, Bill Litton, ao mesmo canal de televisão.

Um homem de 72 anos morreu em Deltona, após cair num canal enquanto usava uma mangueira para drenar a piscina, perante a chuva forte, segundo a polícia do condado de Volusia, no centro da Florida.

No condado de Lake, um homem de 38 anos morreu num acidente após o automóvel ter deslizado numa estrada molhada, avançaram as autoridades.

“Este pode ser o furacão mais mortal da história da Florida”, disse o Presidente dos EUA, Joe Biden, na quinta-feira, durante uma visita às instalações da agência federal que luta contra desastres naturais.

A Guarda Costeira da Florida continua a tentar encontrar 18 migrantes cubanos que estavam num barco que se afundou na quarta-feira, a leste de Key West, no sul da Florida, como resultado do furacão Ian.

Para já foram encontrados nove sobreviventes, disse a força que patrulha a fronteira dos EUA.

“Mais de 700 resgates confirmados ocorreram e certamente haverá muitos mais quando mais dados chegarem”, disse o governador da Florida, Ron DeSantis.

Segundo a agência de notação Fitch Ratings, o furacão Ian terá causado danos materiais entre 30 mil milhões e 50 mil milhões de dólares (30,6 mil milhões e 51 mil milhões de euros).

Na noite de quinta-feira, mais de 2,3 milhões de habitações ou empresas estavam sem energia elétrica, segundo o site especializado PowerOutage.

Após perder força ao atravessar a Florida, tornando-se uma tempestade tropical, Ian tornou-se novamente um furacão nas águas do Atlântico e dirige-se atualmente aos estados da Geórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul, onde são esperadas inundações, tempestades e ventos fortes.

O furacão já tinha causado três mortes ao passar por Cuba, onde provocou a falha total da rede elétrica.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.