Pedro Coelho Dias explicou que a operação de desembarque decorria a sul de Cascais e que, por causa das condições adversas no mar, com ondas de quatro metros, não foi possível aos elementos da embarcação que acompanhavam o piloto alcançá-lo no imediato.

O acidente ocorreu cerca das 01:30 e foram acionados meios da Polícia Marítima e uma embarcação da estação salva-vidas de Cascais, que acabaram por conseguir depois recuperar o corpo.

Porto de Lisboa anuncia investigação

O Ministério do Mar e a Administração do Porto de Lisboa lamentaram hoje a morte de um piloto da barra, ocorrida em serviço esta madrugada e anunciaram que está a decorrer uma investigação técnica ao acidente.

Na mesma nota, as duas entidades participam, "com profundo pesar", o "trágico falecimento do piloto da barra Miguel Conceição, ocorrido esta madrugada em serviço", e apresentam as condolências à família.

"Decorre neste momento a investigação técnica para apurar as causas do acidente que levou a esta tragédia", afirmaram, destacando que as tentativas de resgate foram dificultadas pelas condições meteorológicas e pelo estado do mar.

O porta-voz da Marinha, Pedro Coelho Dias, explicou à Lusa que a operação de desembarque decorria a sul de Cascais e que, por causa das condições adversas no mar, com ondas de quatro metros, não foi possível aos elementos da embarcação que acompanhavam o piloto alcançá-lo no imediato, tendo sido possível depois recuperar o corpo.

Seis barras do Continente estão hoje fechadas a toda a navegação e outras cinco estão condicionadas devido à agitação marítima forte, de acordo com a Marinha Portuguesa.

Por causa da agitação marítima, o Instituto Português do mar e da Atmosfera (IPMA) colocou os distritos de Lisboa, Setúbal, Beja e Faro sob aviso laranja, prevendo-se ondas de sudoeste com 05 a 06 metros de altura, podendo atingir 12 metros de altura.

Este aviso laranja vai estar em vigor entre as 09:00 e as 21:00 de quinta-feira.

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) recomenda a quem se encontra no mar a regressar ao porto de abrigo mais próximo e a adotar medidas de precaução, tais como "reforço da amarração e vigilância apertada das embarcações atracadas e fundeadas".

A AMN dirigiu um especial aviso aos pescadores lúdicos de pesca à cana, aconselhando que devem evitar "pescar junto às falésias e zonas de arriba nas frentes costeiras atingidas pela rebentação das ondas, tendo sempre presente que o mar nestas situações extremas alcança muitas vezes zonas aparentemente seguras".

À população em geral, a AMN aconselha que evitem passeios junto à costa e nas praias.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.