Em causa está a existência, na legislação portuguesa, de direito de preferência dos titulares de concessões balneares nos concursos para a renovação, o que, segundo um comunicado do executivo comunitário, “não se afigura compatível” com as regras, nomeadamente a da liberdade de estabelecimento.

Segundo a Comissão, um direito preferencial a favor dos operadores históricos desencorajaria as empresas situadas noutros Estados-membros de prestarem serviços de praias em Portugal.

Portugal dispõe agora de dois meses para responder aos argumentos apresentados por Bruxelas na notificação enviada, caso contrário, a Comissão poderá enviar um parecer fundamentado a Portugal.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.