Segundo a evolução mensal publicada pela Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT), o número de pré-avisos de greve registados em maio aumentou assim 65% face a abril.

Já comparando com maio de 2020, cerca de dois meses após o início da pandemia e quando o número de pré-avisos de greve totalizou 39, o aumento foi de 82% em maio deste ano.

Por outro lado, o número total de pré-avisos de greve acumulado entre janeiro e maio de 2021 foi de 217, inferior ao registado no mesmo período do ano passado (252).

Os dados revelam que em maio 61% dos avisos prévios de greve ocorreram fora do setor empresarial do Estado e 39% dentro do setor empresarial do Estado.

Os dados da DGERT não incluem os pré-avisos de greve na administração pública.

O setor dos transportes e armazenagem foi o que registou em maio o maior número de avisos prévios de greve (39%), seguido das indústrias transformadoras (33%) e das atividades administrativas e dos serviços de apoio (7%).

Também se verificaram pré-avisos de greve nas atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares (5%), alojamento, restauração e similares (5%), comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos (5%), captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos e despoluição (4%) e nas atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas (2%).

O estado de emergência devido à pandemia de covid-19 terminou em 30 de abril, passando o país a situação de calamidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.