“Face à situação atual em Portimão, o castigo imposto com o retrocesso no confinamento é injusto, incompreensível, inaceitável e revoltante. Não aceito esta medida, estou revoltada”, afirmou Isilda Gomes (PS) em conferência de imprensa nos Paços do Concelho de Portimão.

A presidente da autarquia do distrito de Faro disse que foi “apanhada de surpresa” com o retrocesso imposto ao município na quinta-feira pelo Governo, acreditando que face aos registos dos últimos 14 dias no concelho “a expectativa era a de que ficasse no atual patamar de confinamento”.

Segundo Isilda Gomes, Portimão tem cumprido com todas as suas obrigações no combate à pandemia, ao contrário do Governo, “que não cumpriu o que tinha de cumprir, na responsabilidade com as forças de segurança e na vacinação”.

“Ninguém percebe o atraso na vacinação, não só em Portimão como no Algarve. Como não se percebe que outros concelhos com menores incidências tenham muito mais pessoas vacinadas”, reforçou.

Para a autarca, “chegou a altura de o Governo assumir as suas próprias responsabilidades, não deixando à sorte de indicadores injustos a decisão sobre quem avança e quem recua”, sublinhou.

Portimão é um dos quatro concelhos do país, a par de Moura, Odemira e Rio Maior, que recuam à primeira fase de desconfinamento segundo o plano apresentado pelo primeiro-ministro, António Costa, na quinta-feira.

Excetuando outros seis concelhos que se mantêm na atual fase de desconfinamento, a generalidade do país avança na segunda-feira para a terceira etapa de desconfinamento.

A presidente da Câmara de Portimão considera que este retrocesso “não faz sentido, porque, afirma, o vírus “não está espalhado pelas ruas de Portimão e os surtos da doença estão identificados, controlados e acompanhados”.

Isilda Gomes lembrou que o município efetuou uma operação de testagem em massa e que em 4.187 testes rápidos foram detetados apenas 12 casos positivos, o que a leva a concluir que "a disseminação do vírus não está na comunidade".

A autarca considerou que o primeiro-ministro António Costa “tem tomado medidas difíceis, lesivas da vida das pessoas e das empresas” com base em “informação incompleta e opiniões contrárias de várias pessoas que seguem o que lhes convém”.

“Acho que a informação não chega toda ao senhor primeiro-ministro”, alegou a presidente do município, acrescentando “ter a noção de que existem” divisões de opinião no seio dos ministros.

A autarca recordou que o município do distrito de Faro tem sido responsável e solidário com o país e com o Serviço Nacional de Saúde no combate à pandemia, e era agora a hora de ver retribuída essa solidariedade.

Para combater a pandemia em Portimão e no Algarve, região turística que contribui com cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB), a autarca apresentou um caderno de reivindicações ao Governo que quer ver “implementado imediatamente”.

Assim, pede ao Governo reforce a fiscalização, com o aumento de operacionais nas forças e serviços de segurança, das autoridades para as Condições do Trabalho (ACT) e da Segurança Alimentar e Económica (ASAE), e a priorização no reforço com a ativação do Centro Municipal de Vacinação de Portimão.

Sobre a entrada em funcionamento deste centro disponibilizado pelo município desde 03 de março, a autarca disse não entender como é que o presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve o mantém fechado, “quando a vacinação dos professores está a ser feita à porta das escolas ou em condições ainda piores”.

Entre as reivindicações de Isilda Gomes ao Governo encontram-se “apoios extraordinários para os setores económicos penalizados com o fecho de atividade e o reforço dos profissionais de saúde para o acompanhamento dos casos positivos, pessoas que não têm médico de família.

Pretende também que a variável do número de testes realizados seja acrescentada aos indicadores de decisão do desconfinamento dos concelhos, para que seja valorizada a baixa taxa de positividade sempre que se verifique.

Isilda Gomes afirmou que caso o Governo não assuma as suas responsabilidades e não cumpra o caderno reivindicado pelo município, irá “tirar as devidas ilações e tomar posições”.

“Há várias situações a ponderar e não posso dizer mais nada. Estou na luta por Portimão e acredito que o Governo vai cumprir”, concluiu.

Portugal avança na segunda-feira para a terceira etapa do desconfinamento com o regresso às aulas presenciais no secundário e superior e a reabertura de lojas, restaurantes e cafés, mas 10 concelhos não acompanham esta nova fase.

Em Portimão e noutros três concelhos volta a ser proibido circular para fora do município, restrição que se aplica diariamente, a partir de segunda-feira e durante os próximos 15 dias, ainda que estejam previstas exceções, como trabalho ou assistência a familiares.

O plano de desconfinamento do Governo prevê quatro fases, duas já implementadas a 15 de março e a 05 de abril, estando a próxima prevista para 19 de abril e a última para 03 de maio.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.