Na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, por requerimentos de PSD e CDS-PP, o responsável manifestou “confiança total” na segurança do túnel que liga Amarante e Vila Real, sobretudo depois das “respostas que os meios e as estruturas deram a este acidente grave”.

“Não tivemos uma única vítima”, sublinhou António Laranjo, referindo que uma semana depois do acidente foram “repostas todas as condições para aquele túnel”.

Informando que a IP desenvolveu os seus inquéritos internos, o responsável garantiu ter havido “rapidez de intervenção” e “reposta atempada” dos sistemas e equipamentos.

Autocarro em chamas no túnel do Marão. Não há registo de vítimas
Autocarro em chamas no túnel do Marão. Não há registo de vítimas
Ver artigo

Aos deputados, António Laranjo apresentou a ‘fita do tempo’ do acidente e mostrou que o primeiro sinal de alerta foi registado às 20:29, com o início de libertação de fumo de um autocarro. Cerca de cinco minutos depois a situação foi transmitida ao Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) local.

O líder da IP garantiu ter sido cumprido o plano de emergência interna, manifestando “satisfação” com a intervenção no acidente.

Em resposta ao deputado social-democrata Luís Leite Ramos sobre a eventual falta de meios e de treino das corporações de bombeiros, Laranjo enumerou o simulacro e os exercícios realizados antes da inauguração do túnel, a formação dada e a aquisição de equipamentos de proteção individual “numa quantidade acordada” com os bombeiros.

O simulacro após a abertura teve três adiamentos, por solicitação das corporações.

Aos deputados, o responsável assumiu “haver coisas a melhorar” e revelou, que após as reuniões com a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), se percebeu que “pode haver maior rapidez de comunicação ‘online’, imediata”, ao possibilitar à ANPC aceder remotamente a imagens da IP.

O incêndio de um autocarro com 20 passageiros, da empresa Rodonorte, dentro do Túnel do Marão, ao quilómetro 74 da autoestrada do Marão, entre Amarante e Vila Real, obrigou, a 11 de junho, ao corte do trânsito em ambos os sentidos, mas não causou vítimas.

O túnel que liga Amarante, no distrito do Porto, a Vila Real, abriu em maio do ano passado e tem duas galerias gémeas, cada uma com duas faixas de rodagem e com um comprimento de 5.665 metros.

O incêndio com o autocarro de passageiros foi o primeiro acidente do género, em dimensão, ocorrido num túnel em Portugal.

(Notícia atualizada às 12h47)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.