“As forças obscuras, tanto dentro como fora das nossas fronteiras, têm perturbado o nosso crescimento e prosperidade. Durante demasiado tempo prosperaram dividindo-nos”, disse Mnangagwa numa mensagem televisiva à nação a partir do Palácio Presidencial.

“Aqueles que promovem o ódio e a desarmonia nunca vencerão, as maçãs podres que tentarem dividir o nosso povo e enfraquecer o nosso sistema serão eliminadas”, acrescentou o chefe de Estado, adiantando que “o bem triunfará sobre o mal”.

Esta é a primeira declaração pública do chefe de Estado do Zimbabué após a campanha anti-oposição lançada na sequência de uma manifestação de protesto contra a corrupção governamental na passada sexta-feira, que não teve muita adesão devido às medidas de contenção do coronavírus, mas em que dezenas de pessoas foram detidas e algumas espancadas pelas forças de segurança.

O principal partido da oposição, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC), afirma que pelo menos 60 militantes foram detidos antes, durante e depois destes protestos, e que alguns dos seus membros continuam a ser vítimas de assédio por parte da polícia.

Entre os detidos encontrava-se o conhecido escritor Tsitsi Dangarembga, cujo último romance “This Mournable Body” foi nomeado para o prémio britânico Booker Prize, que foi detido durante a manifestação e libertado no dia seguinte.

O MDC também informou que alguns dos seus membros, como o presidente da câmara de Chitunwiza, uma cidade a sul da capital do Zimbabué, foram espancados no domingo à tarde.

O governo do Zimbabué tem sido alvo de críticas por repressão e detenções arbitrárias.

Na segunda-feira, activistas zimbabueanos lançaram uma campanha de comunicação social sob o rótulo #ZimbabweanLivesMatter, à qual se juntaram vozes de outros países africanos e até a do recém-eleito Presidente Lazarus Chakwera, do Malaui.

Mnangagwa voltou a impor um recolher obrigatório noturno e uma proibição de reuniões sociais no país a 21 de julho, uma vez que o número de casos de COVID-19 aumentou para 4.075, de acordo com os últimos números governamentais, com 80 mortos e 1.057 doentes recuperados.

Os opositores e grupos de direitos humanos consideraram, contudo, que a proibição de qualquer ajuntamento nas ruas se destinava a impedir a manifestação anticorrupção da semana passada, que exigiu a partida de Mnangagwa.

A pandemia da covid-19 é a última crise a atingir esta nação da África Austral de cerca de 15 milhões de pessoas, juntamente com a escassez crónica de alimentos, uma economia arruinada e uma hiperinflação de mais de 785 por cento.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.