Segundo adiantou a mesma fonte, as duas agressoras foram já presentes a um juiz de instrução criminal, que lhes aplicou medidas de coação não privativas da liberdade, designadamente apresentações mensais na esquadra da residência, proibição de contactos com a vítima e proibição de frequentar o Hospital de São Francisco Xavier, com exceção de necessidade de algum ato médico.

Dados recolhidos pela PSP indicam que as agressoras têm 38 e 18 anos de idade.

Em 27 de setembro, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denunciou a agressão a uma médica na urgência do Hospital de São Francisco Xavier.

A obstetra, que cumpria uma prestação de serviços na urgência do hospital, foi agredida e ficou de baixa no dia seguinte por não estar em condições de ir trabalhar, conforme referiu o SIM, que se solidarizou com a médica e a quem disponibilizou apoio jurídico.

Em março, a PSP anunciou que registou 961 situações de violência em hospitais e centros de saúde em 2021, mais 16% do que em 2020.

A PSP indicou também que cerca de 65% da violência registada é praticada por utentes, 21% pelos familiares ou acompanhantes dos doentes, 13% por profissionais de saúde e 1% por visitantes ou outras pessoas.

A comarca de Lisboa registou 23 inquéritos crimes contra profissionais de saúde em 2021, um crime que o Mistério Público tinha alertado em 2020 para a tendência acentuada de aumento.

Os profissionais da saúde que notificam mais casos de violência são os enfermeiros e os médicos e a maioria das situações são de violência verbal e física.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.