O vírus da varíola, cujo único reservatório era o ser humano, é transmitido por gotas de saliva, aerossóis e, em menor grau, por roupas contaminadas.

Dez anos depois da criação da OMS em 1948, a União Soviética propôs numa reunião da organização, "num momento de distensão na Guerra Fria", que o mundo se dedicasse à erradicação da varíola, explica o epidemiologista americano Larry Brilliant. "O governo dos Estados Unidos aceitou imediatamente", completou.

"Havia na ocasião uma vontade pública e política", destacou o epidemiologista à AFP, antes de criticar o "nacionalismo" que prevalece atualmente no combate ao novo coronavírus.

Quatro décadas depois da erradicação da varíola, a covid-19 paralisou o mundo numa questão de meses, o que nunca foi provocado pela varíola, apesar de sua taxa de mortalidade rondar 30%, provocando mais de 300 milhões de vítimas fatais no século XX.

"Podemos aprender muito com a varíola para a covid-19 sobre a importância do rastreamento de casos, o isolamento de pacientes e o confinamento dos seus contatos", explica à AFP a doutora Rosamund Lewis, diretora do departamento de varíola da OMS.

Quando a Organização Mundial da Saúde iniciou o programa intensivo de erradicação em 1967, os especialistas "seguiam de porta em porta" para procurar enfermos, disse Lewis.

Sem demora, alguns países serviram-se das lições do passado e aperceberam-se que é necessário criar um "exército de saúde pública" para lutar contra a covid-19, para entrar em contato com as pessoas e monitorar os casos, acrescenta.

Agora o rastreamento acontece por meio de aplicações ou ligações telefónicas, com base na boa vontade das pessoas, mas a OMS defende a política, especialmente porque não há vacina contra a covid-19.

A vacina contra a varíola foi desenvolvida no fim do século XVIII, quando um médico britânico descobriu que a inoculação do vírus da varíola da vaca (chamado vacine) protegia os humanos.

Antes da vacinação, a população praticava a variolização: um método muito antigo de imunização que consistia em inocular pus, um procedimento que "protege de modo eficaz, mas que tinha o inconveniente de permitir a circulação da varíola", comenta a francesa Anne-Marie Moulin, médica e filósofa no Centro Nacional de Investigação Científica, em França.

"Em alguns países, a variolização continuou após a descoberta da vacina", explica, citando o caso da Índia, muito afetada pela doença.

A vacinação foi "o elemento principal da vitória" contra o vírus, mas o êxito também foi "resultado de uma colaboração internacional" baseada em campanhas de prevenção, tratamento e diagnóstico, disse Angela Teresa Ciuffi, do Instituto de Microbiologia da Universidade de Lausanne, na Suíça.

Quase dez anos depois do apelo da Rússia, a varíola ainda provocava dois milhões de mortes por ano no planeta. Em 1967, a OMS começou a aplicar um programa de luta intensivo.

O último caso de varíola maior foi registado em 1975 em Bangladesh e o último caso de varíola menor em 1977 na Somália. Em, 1978, no entanto, uma fotógrafa médica britânica que trabalhava perto de um laboratório que investigava a doença foi infectada e morreu.

Hoje, apenas dois laboratórios têm autorização para conservar o vírus da varíola — Koltsovo na Rússia e Atlanta nos Estados Unidos —, mas em 2014 foram encontrados frascos antigos noutro laboratório norte-americano.

O período desde a erradicação foi marcado por um debate não solucionado sobre a destruição dos últimos stocks do vírus. De acordo com especialistas é tecnicamente possível recriá-lo em laboratório, mas a OMS proíbe-o.

Várias décadas após a erradicação da varíola, o seu espectro persiste e inclusive aumentou com a ameaça do bioterrorismo.

Ao lado da varíola, "o coronavírus é apenas um exercício de treino" porque hoje a maioria das pessoas nunca foi vacinada e é vulnerável, afirma David Evans, virologista da Universidade de Alberta, no Canadá.

Em caso de reintrodução, a varíola "poderia ser devastadora nas primeiras semanas, sobretudo levando em consideração que a pandemia da covid-19 mostrou quanto tempo os sistemas de saúde pública precisam para ativar a sua logística", opina Rosina Ehmann, do Instituto de Microbiologia das Forças Armadas da Alemanha.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.