O Reino Unido divulgou esta quarta-feira um plano para subsidiar 50% das contas de luz e gás das empresas por seis meses, a partir de outubro, para conter os altos custos de energia decorrentes da guerra na Ucrânia.

A medida foi anunciada antes de o ministro das Finanças, Kwasi Kwarteng, apresentar, na sexta-feira, os cortes de impostos para ajudar o país a enfrentar os níveis históricos de inflação.

"Intervimos para evitar o colapso das empresas, proteger empregos e conter a inflação", declarou Kwarteng nesta quarta-feira, ao anunciar o subsídio às contas de energia.

Os preços no atacado de eletricidade e gás para clientes não residenciais, incluindo hospitais e escolas, serão limitados a metade do seu preço previsto no mercado aberto, disse o Governo em comunicado.

Antes, a primeira-ministra Liz Truss já tinha lançado um plano para congelar os preços da energia que chega à casa das populações por dois anos, o qual entrará em vigor em outubro.

Truss assumiu o cargo a seis de setembro, dois dias antes da morte da rainha Isabel II, tendo vencido as eleições primárias do Partido Conservador com uma plataforma de redução de impostos.

A nova premiê também se comprometeu a eliminar os planos de aumento de impostos sobre salários e lucros das empresas, aprovados pelo seu antecessor, Boris Johnson. Truss defendeu a sua agenda de cortes de impostos perante a oposição do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com quem se reunirá no âmbito da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.