As conclusões do relatório, hoje divulgadas pelo secretário da Justiça norte-americano, William Barr, constituem uma incontestável vitória para o Presidente dos Estados Unidos, que há meses repetia não ter havido qualquer “conluio”, e melhoram as suas perspetivas de uma reeleição em 2020.

“As investigações do procurador especial não determinaram que a equipa da campanha eleitoral de Trump ou qualquer pessoa a ela associada se tenha entendido ou coordenado com a Rússia nos seus esforços para influenciar a eleição presidencial norte-americana de 2016”, indicou Barr numa mensagem de correio eletrónico de quatro páginas enviada ao Congresso e tornada pública logo a seguir.

A Casa Branca considerou, nas palavras da sua porta-voz, Sarah Sanders, que, com este relatório, o Presidente dos Estados Unidos fica “totalmente exonerado”.

Donald Trump, que está a passar o fim de semana na Florida, no seu luxuoso clube de Mar-a-Lago, não reagiu de imediato à mensagem de correio eletrónico do seu secretário da Justiça.

Quanto à outra questão central deste caso, uma eventual obstrução à justiça por parte do chefe de Estado norte-americano, Mueller não emitiu uma conclusão definitiva.

“Apesar de este relatório não concluir que o Presidente cometeu um crime, também não o exonera”, escreveu o procurador especial, citado pelo secretário da Justiça.

Mas Barr, primeiro destinatário do tão aguardado relatório da investigação, conclui, por sua vez, que o documento, que analisou desde sexta-feira, não menciona qualquer crime suscetível de desencadear procedimentos judiciais com base numa obstrução à justiça.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.