“O caso de Borba é um caso em que o Estado falha, isso é óbvio, não trata da segurança das pessoas. E quando nós hoje vemos a estrada em cima daquela fatiazinha de terreno, aquilo arrepia em qualquer circunstância. Como é que foi possível ter a estrada aberta naquelas circunstâncias”, questionou Rui Rio que falava aos jornalistas em Castelo Branco.

Para o líder social-democrata, neste caso deve ser feito um inquérito para apurar responsabilidades, pois trata-se de uma situação que considera “bastante grave”, onde morreram pessoas.

“É bastante grave, mas demonstra isso, demonstra de certa forma, uma certa falência do serviço publico. E, com isto, não estou a acusar A, B ou C. O inquérito dirá onde é que está o quadro de responsabilidades. Aquilo que me preocupa, efetivamente, é ver esta disfuncionalidade nos serviços públicos”, concluiu.

O deslizamento de um grande volume de terra na estrada 255, que provocou “a deslocação de uma quantidade muito significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra” para o interior de pedreiras contíguas, ocorreu às 15:45 de segunda-feira.

O acidente, de acordo com a Proteção Civil, provocou, pelo menos, dois mortos, além de haver três pessoas desaparecidas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.