"A abordagem do que precisa de ser feito para manter as relações é, sem dúvida, correta. Eles [os americanos] simplesmente precisam de parar com a sua escalada, tanto verbalmente, como do ponto de vista de encher o regime de Kiev de armas", disse Riabkov a um grupo de jornalistas, citado pela agência Interfax.

O vice-ministro acrescentou: "também é necessário parar de criar ameaças à Rússia".

"Se [os americanos] conseguirem exercer alguma influência positiva em Kiev - o que não só tenho dúvidas, como estou convencido de que infelizmente não acontecerá - acho que haveria alguma perspetiva de normalização das relações", disse.

Segundo Riabkov, Moscovo observa uma "tendência de quebra", por culpa dos Estados Unidos, nas relações com a Rússia.

"Lamentamos, mas isso não influencia a nossa determinação de avançar para alcançar os objetivos da operação militar especial (na Ucrânia) e nos adaptarmos às circunstâncias criadas pelas sanções dos EUA", sublinhou.

Na segunda-feira, a Rússia apresentou um protesto ao embaixador dos EUA em Moscovo, John Sullivan, por algumas declarações do presidente dos EUA, Joe Biden, sobre o seu homólogo russo, Vladimir Putin, que considerou inaceitáveis.

Moscovo alertou que os comentários de Biden, "indignos de um estadista de alto nível, colocam as relações EUA-Rússia à beira da rutura".

Na quinta-feira passada, o presidente dos EUA descreveu Putin como um "ditador assassino" que autorizou ataques "desumanos" contra a Ucrânia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.