“Esta guerra, provavelmente, não terminará tão cedo quanto gostaríamos”, assinalou Scholz, durante um discurso no congresso do Partido Social Democrata, que começou sexta-feira, em Belrim.

Assim, o governante disse que é necessário continuar a apoiar a Ucrânia “este ano, no próximo e no seguinte”.

Apesar de admitir que esta ajuda representa “um grande desafio financeiro” para o país, comprometeu-se a continuar a apoiar a Ucrânia na defesa contra a Rússia, com meios financeiros e armas.

Scholz lembrou que a Alemanha é o segundo país que mais contribui para o apoio à Ucrânia, atrás dos Estados Unidos.

“Se outros estados vacilarem, a nossa contribuição poderá ter que ser ainda maior”, vincou.

A coligação dos sociais-democratas, verdes e liberais, liderada por Scholz, depara-se com uma crise orçamental, depois de uma decisão do Tribunal Constitucional, que gerou um buraco de 17.000 milhões de euros no Orçamento para 2024.

Contudo, Scholz assegurou que o apoio à Ucrânia não vai sofrer cortes.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.