“A proposta é não haver serviços mínimos, uma vez que o que nós estamos a propor é fazer aquilo que nos obriga a lei, as 40 horas semanais e penso que da parte da Antram […] vai também constar alguma coerência a nível negocial, declarando não haver necessidade de serviços mínimos”, disse Francisco São Bento, que falava aos jornalistas à entrada para uma reunião na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), em Lisboa.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) vão estar hoje reunidos na DGERT para discutir os serviços mínimos para a greve ao trabalho extraordinário, marcada para setembro.

Francisco São Bento afirmou estar confiante de que a associação patronal irá demonstrar, na reunião de hoje, “boa-fé negocial”, permitindo que as duas partes avancem para a negociação.

O responsável vincou ainda que os motoristas vão cumprir as nove horas de trabalho, incluindo a pausa para almoço, conforme estipula a lei, e que vão ser assegurados, durante esse período, todos os serviços.

“Se a Antram e o sindicado declararem não haver necessidade de serviços mínimos, penso que não será o Governo a discordar dessa situação”, notou.

Só após esta reunião, e caso não haja entendimento, é que o Governo pode interferir.

Entre 7 e 22 de setembro, os motoristas de matérias perigosas vão fazer greve às horas extraordinárias, fins de semana e feriados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.