Fonte do SPAC confirmou que o sindicato foi notificado “no início de julho” pelo STJ e que as conversações com a TAP estão a decorrer “neste momento”.

Na edição de hoje do Expresso, o semanário noticia que o Supremo deu razão ao sindicato num processo sobre um erro no cálculo de vencimentos e subsídios de férias que afetou mais de mil pilotos. Segundo o semanário, a ação judicial, interposta em 2017, terá um custo para a TAP “superior a 50 milhões de euros”.

O SPAC acusava a companhia aérea de ter aplicado uma fórmula de cálculo sobre os vencimentos e subsídios de férias dos pilotos que “estava errada” e que penalizou os trabalhadores em vários milhões de euros desde 2010. De acordo com o mesmo semanário, já houve reuniões entre TAP e SPAC, sendo que estas terminaram “sem acordo entre as partes”.

A proposta do SPAC consagrava um pagamento faseado para os comandantes e total para os copilotos, assim como uma redução de mais 10% no corte salarial negociado na sequência do plano de reestruturação — chegaria aos 25% até 2024 e colocaria os pilotos em igualdade com a generalidade dos trabalhadores.

Por sua vez, a administração não terá aceitado a proposta e alertou o sindicato para os custos que a regularização da situação representaria para os pilotos.

Contactada pela Lusa, a TAP ainda não respondeu ao pedido de comentário a esta situação.

No início do mês, mais de 400 pilotos manifestaram-se em Lisboa, junto à sede da TAP, contra o que disseram ser “atropelos e injustiças” da administração da empresa.

O objetivo da manifestação foi, de acordo com o SPAC, que convocou a iniciativa, demonstrar insatisfação face aos “atropelos, injustiças e à forma como a administração e a tutela têm gerido a empresa e a relação laboral com os pilotos”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.