A decisão produzirá efeitos imediatos apenas nesse Estado mexicano, mas define “critérios obrigatórios para todos os juízes do país”, fazendo com que atuem da mesma maneira em casos semelhantes, declarou o presidente do tribunal, Arturo Zaldívar.

Só quatro Estados mexicanos — Cidade do México, Oaxaca, Veracruz e Hidalgo — autorizam agora o aborto na maioria das circunstâncias. Os restantes 28 Estados penalizam o aborto, com algumas exceções.

O Supremo Tribunal tinha anteriormente decidido a favor de mulheres que haviam sido encarceradas ou cujos direitos tinham sido violados por terem feito abortos. Mas a diretora do grupo não-governamental de direitos reprodutivos GIRE, Rebecca Ramos, afirmou que esta foi a primeira vez em que os juízes debateram a questão fundamental: Deve o aborto ser considerado um crime ou não.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.