Numa entrevista à emissora australiana SBS, Ahmadullah Wasiq, que integra a comissão cultural dos talibãs, disse que o desporto feminino não é considerado apropriado ou necessário.

"Não creio que as mulheres sejam autorizadas a jogar cricket porque não é necessário que as mulheres joguem cricket”, afirmou.

"No cricket, pode surgir uma situação em que o seu rosto e corpo não estejam cobertos. E o Islão não permite que as mulheres sejam vistas dessa forma”, justificou.

Enumerando outras justificações, Ahmadullah Wasiq deu a entender que a proibição se estenderá a outros desportos: "É a era dos media, e haverá fotos e vídeos, e depois as pessoas assistirão a isso. O Islão e os Emirados Islâmicos [Afeganistão] não permitem às mulheres jogar cricket ou praticar qualquer tipo de desporto em que fiquem expostas".

A questão dos direitos das mulheres no país é delicada e pode dominar a forma como o regime vai ser julgado perante a comunidade internacional e esta posição do governo sobre o desporto feminino e o facto de, na terça-feira, ter sido anunciado um executivo que incluía exclusivamente ministros masculinos talibãs podem ser interpretados como sinais de alerta para a falta de moderação.

Hoje, a diplomacia da União Europeia já criticou hoje a formação do novo Governo afegão por não ser “nem inclusivo nem representativo” da diversidade étnica e religiosa, vincando que não corresponde ao prometido pelos talibãs e que esta era “uma das cinco condições colocadas” para um eventual reconhecimento diplomático.

Os Estados Unidos também denunciaram a ausência de mulheres e manifestaram “preocupação” pelas “filiações e os antecedentes de alguns desses indivíduos”, apesar de indicar que devem ser avaliados “pelos seus atos”.

Na terça-feira, os talibãs também dispersaram manifestações com disparos para o ar. Entre os manifestantes havia um elevado número de mulheres, que receiam a sua exclusão da vida pública pelos talibãs como sucedeu durante o seu anterior regime, entre 1996 e 2001.

Segundo noticia o Guardian, a federação de Cricket do Afeganistão não confirmou a proibição e diz  não ter sido oficialmente informada sobre o futuro do desporto feminino, mas o seu programa para raparigas já foi suspenso. Desde que os talibãs chegaram ao poder, as jogadoras da seleção nacional têm estado escondidas por temerem consequências ou respostas violentas.

A proibição da prática de desporto pode ser vista como mais uma prova de que a atitude dos Talibãs em relação às mulheres não foi moderada, apesar das afirmações em contrário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.