Numa audição na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, onde começou a ser ouvido às 14:35, Azeredo Lopes explicou que o ministro não tem competências para demitir generais, na sequência do roubo de material militar, em junho de 2017.

“O que contestei é que se tivesse começado pelo CEME, fingindo que não havia responsabilidades abaixo”, afirmou o ex-ministro, dizendo que uma “decisão política não pode ficar dependente do bem querer dos seus tenentes-generais”

O ex-ministro da Defesa recordou também que há “documentos que demonstram que, em 2015, pessoalmente, cada um dos comandos sabia das condições lastimosas em que estava Tancos”.

Dois tenentes generais pediram a passagem à reforma na sequência do furto de Tancos e da decisão de Rovisco Duarte de afastar temporariamente vários comandantes de unidades envolvidas na segurança dos paióis nacionais de onde foi furtado o material.

Azeredo Lopes admitiu que, como ministro, estava numa situação em que, "se tivesse tido intervenção era acusado de interferência, se não de omissão"

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.