Falando perante os taxistas presentes na Praça dos Restauradores, em Lisboa, ao início da tarde, o presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, reiterou o pedido para que os colegas mantenham a calma e “não se deixem levar por provocações”.

“Há informação de que há alguma agitação à frente da avenida, é preciso é resistir, resistir e resistir de forma ordeira, não pondo em causa a imagem” da profissão, sublinhou o dirigente da FPT.

Também Florêncio Almeida, da ANTRAL, foi taxativo: “Não é admissível que algum dos nossos colegas faça algo que venha prejudicar a imagem que estamos aqui a transmitir”.

“Cada vez mais a manifestação de apoio a esta luta, que é justa, vai engrossando”, disse Carlos Ramos, acrescentando que “já chegaram ao Porto dezenas de automóveis de Gaia, da Maia e de Gondomar”, pelo que “já estão estacionadas 600 viaturas” a norte.

Entretanto, cerca de uma dezena de táxis de Loures juntaram-se à manifestação, tendo sido aplaudidos à chegada à baixa da cidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.