Aos jornalistas, Alexandre Cordeiro destacou ainda a preocupação da PSP em garantir o “equilíbrio” entre o direito de manifestação dos taxistas e a livre circulação de quem tinha de se deslocar nas zonas condicionadas.

Em Lisboa, a Avenida da Liberdade está cortada ao trânsito, mas assim que as condições o permitirem será reaberta de forma condicionada ao trânsito, informa.

Todas as condicionantes “fazem parte do planeamento” preparado ao longo dos dias para o protesto decorra com “segurança e toda a normalidade”.

As operações da PSP decorrem a três níveis estratégicos. O primeiro a operar através da Direção Nacional, onde é acompanhada “permanentemente a situação em Lisboa, Porto e Faro”; o segundo nos comandos de cada cidade afectada pelos protestos; e um terceiro no local das concentrações.

“Até ao momento não temos qualquer nível de incidente”, congratula-se.

O oficial destacou que a PSP espera ter "a situação completamente normalizada e a manifestação encerrada" até ao final do dia de hoje.

"Isto vai depender também de algumas condicionantes. Os senhores taxistas têm prevista a entrega de um documento na Assembleia da República. Nós vamos acompanhar cerca de três ou quatro táxis que estão autorizados para esse efeito. Depois desse acompanhamento e dessa entrega faremos um balanço", acrescentou.

Os taxistas manifestam-se contra a entrada em vigor, em novembro, da lei que regula as quatro plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Este protesto não envolve a realização de uma marcha lenta, mas o estacionamento das viaturas nas ruas.

Segundo a organização, cerca de 1.300 táxis integravam hoje, pelas 09:00, o protesto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.