No despacho da subdiretora-geral do Património Cultural, Rita Jerónimo, datado de 12 de novembro e publicado hoje no DR, é destacada a importância desta “manifestação do património cultural imaterial enquanto reflexo da respetiva comunidade e a articulação com as exigências de desenvolvimento sustentável e de respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos”.

A candidatura, apresentada pela Câmara Municipal de Coruche em 2018, insere-se no domínio das “competências no âmbito de processos e técnicas tradicionais” em atividades extrativas, sendo a tiragem da cortiça ou descortiçamento definida como “a operação que permite a extração da cortiça do sobreiro”.

“É o saber-fazer associado à separação da camada de cortiça que acompanha o ciclo de crescimento do sobreiro – sem ter consequências na vitalidade da árvore e permitindo a sua regeneração cíclica e integral – que caracteriza a atividade do tirador e lhe confere grande responsabilidade e um elevado grau de especialização incomparável a qualquer outra atividade florestal, agrícola ou pecuária que igualmente se desenvolve no montado”, lê-se na Ficha de Património Imaterial.

“Trata-se de uma atividade sazonal que se realiza fundamentalmente entre os meses de maio e agosto durante a fase mais ativa do crescimento vegetativo da árvore”, acrescenta.

Para o município, a validação da classificação como património cultural imaterial é um passo importante para uma candidatura desta arte a Património Cultural da Humanidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.