Entre os chefes de estado e de governo que se reuniram no Dubai para as negociações da 28.ª conferência da ONU sobre alterações climáticas inclui-se Lukashenko, acusado pelos líderes da União Europeia (UE) de repressão contra a oposição bielorrussa e de aliança com a Rússia na invasão da Ucrânia, iniciada em fevereiro de 2022.

Os líderes da Lituânia, Letónia e Polónia — todos aliados da Ucrânia — justificaram a sua decisão de não aparecer na tradicional foto de abertura da COP28 com a presença do Presidente bielorrusso.

“Chamamos-lhe fotografia de família, Lukashenko não faz parte da nossa família”, afirmou o presidente lituano, Gitanas Nauseda, em comunicado.

“Seria hipócrita estar lado a lado com o líder de um país que se tornou numa base de retaguarda para a agressão russa contra a Ucrânia e discutir o futuro do mundo e as alterações climáticas como se não fossem nada”, acrescentou o Náusea.

A Lituânia e a Letónia, duas antigas repúblicas soviéticas, estão entre os mais fortes críticos da Rússia e do aumento da ajuda militar a Kiev.

Os dois países e a Polónia acusaram as autoridades de Minsk de orquestrar um fluxo artificial de migrantes para a União Europeia, numa tentativa de desestabilizar a região.

Representantes de quase todos países do mundo estão reunidos no Dubai até 12 de dezembro para a COP28, em que será feito o primeiro balanço global de oito anos de ação climática.

O país que acolhe a cimeira – Emirados Árabes Unidos – é um dos maiores produtores mundiais de petróleo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.